MERCADOS

Barsi se desfaz de ações da Eternit depois de alta de 345% no ano

PUBLICADO EM: 10.12.20 | 10H36
ATUALIZAÇÃO: 19.3.21 | 16H57
A Eternit afirmou que a participação não visa qualquer alteração do controle acionário da companhia ou de sua estrutura administrativa

Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A Eternit informou ao mercado na última quarta-feira, 9, que Luiz Barsi Filho, um dos seus acionistas e um dos maiores investidores pessoas físicas da Bolsa, reduziu a participação na companhia para 9,71% com a venda de ações no mercado à vista. 

É hora de seguir investindo em ações de varejo/finanças/construção/educação? Monte a melhor estratégia com os especialistas da EXAME Research

A decisão de Barsi em reduzir a participação de 10,73% para 9,71% tem como objetivo a adequação de portfólio. Segundo o bilionário, ela poderá ser aumentada ou reduzida de acordo com os objetivos de investimento. 

Em comunicado ao mercado, a Eternit afirmou que a participação não visa qualquer alteração do controle acionário da companhia ou de sua estrutura administrativa. Louise Barsi, filha do investidor, é uma das conselheiras da companhia. 

A companhia, pediu recuperação judicial em março de 2018 devido a consequência das restrições ao amianto, vive um bom momento na bolsa. No ano, as ações da Eternit acumulam alta de 344%. Na pregão de ontem, os papéis eram negociados por 19,79 reais cada um. Atualmente, tem valor de mercado estimado em 919,31 milhões de reais. 

O mercado parece ter aprovado os novos rumos da Eternit. A companhia deixou o amianto para trás e tem apostado em um produto mais sustentável, como a telha fotovoltaica, que capta a luz solar para a produção de energia elétrica. 

{{text-break}}

No início do ano, Barsi afirmou que o lançamento de novos produtos traria grande chance da companhia se recuperar e destacou a boa administração da empresa. 

“Mantive minha participação em todos estes anos porque sou parceiro da empresa. Nós não devemos ser parceiros só nos bons momentos. Temos que ser parceiros também nos maus momentos. Jamais me divorciaria da empresa.”


Recomendado para você


Leia também

Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais