Onde Investir

Com BTG como sócio, ex-head da Itaú Asset atrai equipe da Vintage

PUBLICADO EM: 5.3.21 | 21H13
Rubens Henriques acerta vinda de Rodrigo Carvalho e do time que geria o fundo multimercado Vintage Alpha para a sua nova gestora

Resumo do investidor

Entenda o contexto: (1) O forte crescimento do mercado de capitais abre espaço para que profissionais experientes saiam de bancos e gestoras para abrir o seu próprio negócio; (2) o fenômeno é impulsionado também pela facilidade de oferta de produtos por meio de plataformas e pela redução dos custos de tecnologia,

Marcelo Sakate

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O projeto que o ex-chefe da gestora de recursos do Itaú, Rubens Henriques, vai tocar com o BTG Pactual como sócio minoritário está tomando forma, com uma contratação importante.

Henriques trouxe Rodrigo Carvalho e parte do time da gestora Vintage Investimentos que era responsável pelo fundo multimercado Vintage Alpha Macro Master, segundo um comunicado da Vintage Investimentos enviado a clientes. Um acordo com a Vintage prevê que o próprio fundo multimercado e seus feeders sejam transferidos para a gestora de Henriques.

A gestora de Henriques já conta com André Caldas, que vai tocar as estratégias de ações, e Moacir Fernandes, para quantitativos. A empresa terá escritórios no Rio e em São Paulo e espera começar com 3 bilhões de reais sob gestão, disse uma pessoa familiarizada que pediu para não ser identificada pois os detalhes não são públicos. Henriques não comentou.

Rodrigo Carvalho era sócio e membro do comitê executivo da Vintage, tendo passado antes pela Polo Capital e pela Mauá, segundo o site da empresa. Ele geria sozinho o fundo Vintage Alpha Macro Master, que tem 484 milhões de reais sob gestão, desde junho de 2020. No período o fundo teve retorno de 17,4%, ante retorno 1,3% do CDI.

A Vintage informou no comunicado que a decisão foi tomada de forma “consensual e harmoniosa” e que a reestruturação será efetivada após as aprovações necessárias, incluindo no âmbito societário. A empresa segue sob comando dos sócios Ricardo de Paulo e Guilherme Amaral e pretende lançar uma estratégia de ações long biased em breve, segundo o comunicado.

A Vintage também informou, em outro comunicado, que os times responsáveis por ações e bonds continuam na gestora.


Recomendado para você


Leia também

Marcelo Sakate

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais