Exame Invest
Minhas Finanças

Conheça o novo golpe do Pix e veja como evitá-lo

PUBLICADO EM: 19.8.21 | 6H18
ATUALIZAÇÃO: 18.8.21 | 16H50
Os criminosos enviam mensagens falsas via SMS e oferecem descontos em faturas de celular ou de cartão de crédito visando enganar as vítimas
Pix

(Marcello Casal JrAgência Brasil)

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Pix, sistema de pagamentos do Banco Central, está sendo usado em um novo golpe. Os criminosos enviam mensagens falsas via SMS e oferecem descontos em faturas de celular ou de cartão de crédito visando enganar as vítimas. As mensagens chegam por SMS e prometem um desconto caso o pagamento seja realizado pelo Pix.

 Faça suas compras no crédito com as carteiras digitais do BTG+. Garanta cashback adicional para investir

Segundo os especialistas da Kaspersky, que analisaram o golpe, houve uma evolução, pois o golpe antes era realizado por meio do envio de faturas falsas por e-mail, mas agora o esquema se aproveita da rapidez e da facilidade do SMS e do Pix, que já foi massivamente adotado pela população desde seu lançamento.

No primeiro golpe identificado pela Kaspersky, que traz na mensagem o suposto desconto na fatura do celular, são oferecidos R$ 35,90 de abatimento na conta e já informa a chave para realizar a transferência. 

Golpe do PIX

(Kaspersky/divulgação/Divulgação)

Golpe do Pix

(Kaspersky/divulgação/Divulgação)

Fabio Assolini, analista sênior da Kaspersky no Brasil, destaca que em ambos os golpes os criminosos usam números curtos para o envio dos SMSs falsos. "Os chamados ‘short-codes’ são canais que deveriam ser usados exclusivamente pelas operadoras e grandes empresas para realizar a comunicação com clientes, pois eles têm uma maior credibilidade e são usados geralmente para o envio de tokens ou códigos de confirmação. Mas é incontestável que eles estão sendo abusados para aplicar golpes online."

Golpe do Pix

(Kaspersky/Divulgação/Divulgação)

Ataques

O phishing é um dos golpes mais comuns no Brasil, e desde a estreia do Pix, em novembro de 2020, a Kaspersky já bloqueou mais de 22 milhões de tentativas deste tipo de ataques no Brasil - sendo 18 milhões deles só em 2021. Do total, 81% das mensagens fraudulentas usam nomes de instituições financeiras, como bancos, empresas de cartão de crédito, corretoras etc. O Pix é um dos mais novos temas nesta lista, devido a sua popularidade e rápida adoção.

A Kaspersky  disse ainda que nos últimos 3 meses (entre maio e agosto), foram identificados e bloqueados mais de 2.400 endereços (URLs) / domínios de phishing com o termo "PIX" no nome, sendo que a empresa bloqueou mais de 2 milhões e meio de tentativas de acesso a estes sites feitos em dispositivos móveis (celulares e tablets). .

"Nos últimos meses, identificamos golpes explorando o SMS, como as mensagens de classe zero e o uso de códigos unicode para burlar os filtros das operadoras. Com o uso de engenharia social para enganar as vítimas e receber pagamentos via PIX, cujo estorno do valor pago é algo muito difícil de ser feito, o golpe é se completa de maneira bem-sucedida. Neste contexto, é muito importante que as pessoas saibam que os golpes existem, entendam como se proteger e que contem com uma solução de segurança em seus celulares", acrescenta Assolini. 

Como se proteger

Para se proteger dessas ameaças, a Kaspersky recomenda:

  • Sempre acesse os canais oficiais das empresas para confirmar se a promoção ou oferta existe. Na dúvida, entre em contato com o atendimento ao cliente.
  • Antes de clicar em um link, verifique o endereço para onde será redirecionado e o remetente para garantir que são genuínos.
  • Tenha atenção ao remetente. Como neste caso os cibercriminosos usam o short-code legítimo, é necessário conhecer o golpe para desconfiar.
  • Se não tiver certeza de que a página é real e segura, não coloque informações pessoais ou realize pagamentos.

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame