Exame Invest
NEGÓCIOS

Conselho do Itaú Unibanco aprova cisão de participação na XP

PUBLICADO EM: 26.11.20 | 19H17
ATUALIZAÇÃO: 26.11.20 | 21H15
As ações remanescentes de emissão da XP detidas pelo Itaú, correspondentes a 5% do capital social da XP, poderão ser vendidas
Prédio da XP Investimentos

XP: cisão ainda precisa ser aprovada em assembleia geral dos acionistas

Imagem da Editoria Exame Invest
marianamartucci

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O conselho de administração do Itaú Unibanco aprovou nesta quinta-feira a segregação da participação do conglomerado na XP Inc. em uma nova sociedade, de acordo com fato relevante do maior banco privado do país.

A segregação "ocorrerá mediante cisão de empresas do conglomerado Itaú Unibanco com a versão da parcela cindida representativa de 41,05% do capital da XP" para a nova companhia, a Newco, disse a instituição financeira.

Ainda de acordo com o fato relevante, as ações remanescentes de emissão da XP detidas pelo Itaú Unibanco, correspondentes a 5% do capital social da XP, poderão ser vendidas, a depender das condições de mercado.

Dessa forma, os acionistas do Itaú Unibanco passarão a deter, também, participação acionária na nova empresa, cujo único ativo será o investimento na XP. E por que isso faz sentido para a Itaúsa? Com o movimento, a companhia deve se tornar uma acionista relevante da nova empresa NewCo, com cerca de 37% de sua participação, considerando os investimentos diretos e indiretos.

Pelos cálculos da equipe de análise do UBS, que inclui Thiago Batista, Olavo Arthuzo e Philip Finch, considerando o valor de mercado atual da XP Inc, essa participação deve valer cerca de 19 bilhões de reais, o que representaria aproximadamente 19% do valor de mercado de todos os ativos da Itaúsa —  isso não significa abandonar o Itaú, que continua sendo a participação acionária mais relevante da companhia, com cerca de 69% dos ativos totais da holding. Os analistas avaliam a transação de forma positiva.

JCP

O conselho do Itaú aprovou também o pagamento de Juros sobre Capital Próprio (JCP) no valor bruto de 0,0639 real por ação. Os valores serão pagos com base na posição acionária do dia 10 de dezembro, e a partir do dia 11 as ações passam a ser negociadas ex-juros. O crédito aos acionistas será realizado até 30 de abril de 2021.

Imagem da Editoria Exame Invest
marianamartucci

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame