Exame Invest
Mercados

CSN compra operações brasileiras da Holcim por US$ 1 bi

PUBLICADO EM: 10.9.21 | 8H00
Transação envolve mais de 30 fábricas, sendo elas de cimento, moagem, agregados e concreto
Trabalhador empilha sacos de cimento da Holcim

Trabalhador empilha sacos de cimento da Holcim | Foto: Kemal Jufri/Bloomberg News

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A líder global do mercado de cimento Holcim está vendendo seus negócios no Brasil para a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN, CSNA3) por US$ 1,03 bilhão. Com a transação, a Holcim está avançando em sua estratégia de reduzir sua dependência de seus negócios tradicionais com cimento, concreto pré-misturado e agregados e focar mais em áreas menos capitalizadas e mais sustentáveis ​​da indústria da construção. "Esta venda é mais um passo em nossa transformação no fornecedor líder mundial de soluções de construção inovadoras e sustentáveis", disse o chefe da Holcim, Jan Jenisch. "Isso nos dá flexibilidade para investir em oportunidades de crescimento atraentes."

A transação inclui cinco fábricas de cimento, quatro fábricas de moagem, seis fábricas de agregados e 19 fábricas de concreto pronto, conforme a Holcim anunciou na sexta-feira. A compradora, a divisão de cimento do grupo siderúrgico CSN, está em processo de consolidação do fragmentado mercado brasileiro. A empresa comprou recentemente a rival menor Elizabeth Cimentos. O IPO planejado da empresa foi suspenso devido às condições do mercado em julho. Para preencher o baú de guerra, no entanto, o negócio deve ser concluído em uma data posterior.

Com a venda, a Holcim fortalece o balanço e reduz o nível de endividamento. Em troca, a rival da alemã HeidelbergCement quer expandir áreas de alto crescimento, como o negócio de telhados. No início deste ano, a Holcim adquiriu a fabricante americana de telhados solares, barreiras contra umidade e isolamento, Firestone Building Products, por US$ 3,4 bilhões.

A Holcim já havia se retirado do negócio de cimento em vários países emergentes. Um dos motores da reestruturação do grupo é a aversão de muitos grandes investidores a empresas em setores prejudiciais ao clima. De acordo com estudos, os fabricantes de cimento causam 8% das emissões globais de gases do efeito estufa. A venda da empresa no Brasil foi bem recebida na bolsa de valores, com as ações da Holcim ganhando um por cento. "Congratulamo-nos com a decisão de sair do negócio lucrativo abaixo da média por um preço de venda sólido", disse o analista do ZKB Martin Hüsler.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame