Exame Invest
Mercados

Desaceleração na China, IBC-Br, Soma e Hering e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 15.9.21 | 7H08
ATUALIZAÇÃO: 15.9.21 | 7H42
Bolsas internacionais operam de forma mista após dados chineses voltarem a sair abaixo das expectativas
China vai promover sustentabilidade da dívida em países em desenvolvimento, diz vice-ministro

China: produção industrial e vendas do varejo têm forte desaceleração em agosto (REUTERS)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O mercado internacional opera de forma mista na manhã desta quarta-feira, 15, com os índices futuros em alta nos Estados Unidos, mas com as bolsas da Europa e Ásia no campo negativo. Como pano de fundo das negociações estão dados que revelaram menor atividade econômica na China.

Divulgados na última noite, os indicadores chineses referentes ao mês de agosto decepcionaram em praticamente todas as frentes. O principal deles, o crescimento da produção industrial caiu de 6,4% para 5,3% no acumulado de 12 meses. A expectativa era de uma redução para 5,8%. Já a alta anual das vendas do varejo despencou de 8,5% para 2,5% - enquanto o consenso era de uma queda para 7%.

Com os números mais fracos da economia chinesa, as bolsas da Ásia fecharam no vermelho, com destaque para a de Hong Kong, que registrou queda de 1,84%. O tom negativo já chegou à Europa, com o Stoxx 600 recuando 0,2% nesta manhã. 

Os dados negativos da China também aumentam as preocupações sobre o nível da demanda por minério de ferro. Nesta madrugada, a commodity voltou a sofrer duras perdas na bolsa de Dalian, tocando seu menor patamar desde dezembro de 2020. A desvalorização pode ter forte pressão sobre o Ibovespa, tendo em vista que a Vale (VALE3) possui a maior participação do índice.

Abra sua conta no BTG Pactual digital e invista com o maior banco de investimentos da América Latina

Nos Estados Unidos, onde os principais índices caíram na véspera, as altas são contidas. Por lá, investidores devem repercutir dados da produção industrial americana, previstos para às 10h15, com expectativa de alta mensal de 0,5%. A divulgação ocorre após os últimos indicadores do mercado de trabalho e até mesmo de inflação mostrarem uma retomada de atividade mais fraca do que a esperada.

Por aqui, economistas devem se debruçar sobre o IBC-Br, também conhecido como “prévia do PIB”. Segundo a Bloomberg, o consenso é de que o indicador de atividade econômica aponte para uma alta de 0,35% em julho. Na divulgação referente a junho, o IBC-Br apontou para um crescimento de 1,14%.

Sinal verde para a fusão

A Soma (SOMA3) informou que seus acionistas aprovaram a combinação de negócios com a Hering (HGTX3). Também foi aprovado o pagamento de 9,54 reais por ação da Hering e a relação de troca, de 1,625 ação ordinária da Soma por cada ação ordinária de emissão da Hering. 

Plano & Plano

A Plano & Plano (PLPL3) anunciou um programa de recompra de ações com objetivo de adquirir até 6 milhões de ações ordinárias, cerca de 9,33% dos papéis da companhia em livre circulação. O prazo para a aquisição dos papéis termina em 13 de março de 2023. 

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame