Exame Invest
Brasil

Desmatamento pode levar o Brasil a novas crises hídricas

PUBLICADO EM: 24.9.21 | 7H58
Redução de chuvas no Brasil Central e secas são resultado de políticas ambientais. Para especialista, país precisa de planejamento de longo prazo para preservar agronegócio e setor energético
QUEIMADA ACRE- SERGIO VALE 20-08-2020 (4) Brigadista combate chamas em Rio Branco, no Acre (Foto: Sérgio Vale/Amazônia Real/20/08/2020)

A avaliação é que, quanto mais a região for desmatada, menor será a incidência de chuvas na região central

Imagem da Editoria Exame Invest
Agência O Globo



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A Amazônia registrou 28.060 focos de queimadas em agosto, segundo dados do Programa de Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um número acima da média histórica. Para especialistas, o avanço do desmatamento e a falta de preservação de mananciais podem fazer com que o país repita cada vez mais o cenário de crises hídricas em razão da escassez de chuvas.

  • Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME.

A avaliação é que, quanto mais a região for desmatada, menor será a incidência de chuvas na região central. No Cerrado, as queimadas ameaçam a vazão de alguns dos principais rios. O alerta do professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física da USP e membro do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU), é que o país precisa parar de fazer planejamento de curto prazo e focar em políticas públicas que pensem o futuro, voltadas para um horizonte superior à duração de um único governo.

— A gente sempre culpa o clima porque está chovendo menos. Mas a responsabilidade é nossa, das políticas ambientais, inclusive do atual governo. A falta de chuvas é resultado de mudanças climáticas globais. A gente está vendo o desastre esperado — disse.

O especialista lembra que há anos a ciência vem alertando para as consequências do desmatamento da Amazônia. Ele reduz a chamada evapotranspiração (evaporação da água do solo mais a transpiração das plantas), e o resultado é a incidência menor de chuvas no Brasil Central. É nessa região que está localizado o Pantanal, a maior planície alagada do mundo.

crise hídrica na represa de Furnas, em Minas Gerais" width="594" height="334" data-restrict="false" data-portal-copyright="Douglas Magno / AFP via Getty Images" data-image-caption="Vista aérea do Lago de Furnas em Pimienta, Estado de Minas Gerais, Brasil em 19 de julho de 2021" data-image-title data-image-source="Getty Images" srcset="https://exame.com/wp-content/uploads/2021/09/crise-hidrica-na-represa-de-Furnas-em-Minas-Gerais.jpg 594w, https://exame.com/wp-content/uploads/2021/09/crise-hidrica-na-represa-de-Furnas-em-Minas-Gerais.jpg?resize=150,84 150w, https://exame.com/wp-content/uploads/2021/09/crise-hidrica-na-represa-de-Furnas-em-Minas-Gerais.jpg?resize=300,169 300w" sizes="(max-width: 594px) 100vw, 594px">

Vista aérea do Lago de Furnas em Pimienta, Estado de Minas Gerais, Brasil em 19 de julho de 2021 (Douglas Magno / AFP via/Getty Images)

Artaxo pondera que o combate ao desmatamento e a preservação dos mananciais dos rios são medidas fundamentais para a economia, pois asseguram as condições para o bom desempenho do agronegócio e do setor energético.

— Não adianta olhar para cima e ver se chove menos ou mais. É preciso trabalhar para a preservação dos mananciais e tratar de reduzir drasticamente o desmatamento da Amazônia. A questão da surpresa em relação a esta nova crise hídrica é relativa. Era apenas questão de tempo para que acontecesse. E a gente tem que se preparar para a próxima, que pode vir em três ou sete anos. A gente aumenta a resiliência às crises com políticas de Estado e não de governo — afirmou.

No futuro, diz o especialista, a água será uma commodity muito valiosa. Ele lembra que vários países têm menos água que o Brasil, mas conseguem gerenciar recursos de modo mais favorável para suas economias. No Brasil, 85% da matriz energética são renováveis.

— Temos de agir já. O Brasil tem um gigantesco atraso no planejamento energético. A redução contínua da precipitação no Brasil Central já ocorre ao longo de dez anos, e as secas serão cada vez mais frequentes. Precisamos incorporar isso em políticas públicas de energia, do agronegócio e do setor financeiro — disse.

Imagem da Editoria Exame Invest
Agência O Globo


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame