Dividendos recomendados pelo BTG para maio | Exame Invest
Exame Invest
BTG Insights

Dividendos recomendados pelo BTG para maio

PUBLICADO EM: 5.5.21 | 7H33
ATUALIZAÇÃO: 4.5.21 | 19H34
A rentabilidade acumulada da carteira supera o Índice de Dividendos e o Ibovespa. Veja algumas das recomendações das equipes do banco

Resumo do investidor

Por que isso importa: 1. Carteira é atualizada trimestralmente pelas equipes de análise de empresas e estratégia; 2. A recomendação é manter as empresas indicadas em fevereiro; 3. Objetivo é manter a exposição à retomada do crescimento econômico global.

B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Objetivo da carteira do BTG é encontrar e recomendar empresas que remuneram seus acionistas acima da média do mercado de forma recorrente

Imagem da Editoria Exame Invest
Vanessa Daraya

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O BTG Pactual digital divulgou na segunda-feira, 3, a atualização da carteira trimestral de dividendos montada pelas equipes de análise de empresas e estratégia. O objetivo é encontrar e recomendar empresas que remuneram seus acionistas acima da média do mercado de forma recorrente.

Em abril, a carteira recomendada do BTG teve alta de 2,92%, ante 2,03% do Índice Dividendos (IDIV) e 1,94% do Ibovespa. Desde novembro de 2019, a carteira acumula rentabilidade de 14,8%, ante 9,5% do IDIV e 10,5% do Ibovespa.

Carteira de dividendos

Desta vez, as equipes optaram por manter as empresas que já estavam na carteira em fevereiro, quando trocaram a Telefônica Brasil (VIVT3) pela Vale (VALE3). O objetivo é manter a exposição à retomada do crescimento econômico global somada à forte dinâmica dos preços do minério de ferro, que gera um volume expressivo de caixa. A expectativa é a de um dividend yield (rendimento dos dividendos) de 11,2% para 2021.

A equipe de analistas do BTG destaca que a tragédia de Brumadinho fez com que a segurança das instalações e uma agenda ESG mais ampla tenham se tornado metas primordiais de longo prazo. “Estamos convencidos de que a Vale permanecerá altamente ‘amigável aos acionistas’ no futuro", dizem os analistas no relatório.

Além disso, a carteira continua com um portfólio diversificado, com empresas que são fortes geradores de caixa, como a Taesa (TAEE11), um dos maiores grupos de transmissão de energia do Brasil em Receita Anual Permitida (RAP). Os analistas destacam a forte eficiência operacional da companhia, que permitiu a distribuição de boa parcela dos lucros aos acionistas.

O payout (percentual do lucro líquido distribuído em forma de provento) é de cerca de 90%. Além disso, os analistas destacam que a Taesa deve manter seu nível de eficiência operacional pelo próximo trimestre. Há expectativa de um dividend yield de 12,3% para 2021.

 


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Vanessa Daraya

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame