Eletrobras dispara 12% com possível MP sobre privatização | Exame Invest
MERCADOS

Eletrobras dispara 12% com possível MP sobre privatização

PUBLICADO EM: 23.2.21 | 13H48
ATUALIZAÇÃO: 23.2.21 | 13H59
Segundo fonte da Reuters, medida provisória deve permitir que BNDES inicie estudos sobre privatização da companhia.

Guilherme Guilherme

Repórter de câmbio e bolsa de valores da EXAME.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As ações da Eletrobras passaram a disparar no início da tarde desta terça-feira, 23, após a Reuters noticiar que o governo deve publicar ainda hoje uma medida provisória associada aos planos de privatizar a companhia.

Antes de entrarem em leilão, os papéis ordinários da companhia (ELET3) subiam 11,90% e as preferenciais de classe b (ELET6), 12,35%. Em apenas 6 minutos, os papéis, que já vinham em alta, avançaram mais 8%.

uguy

Gráfico das ações preferenciais classe b da Eletrobras: em apenas 6 minutos papéis dispararam 8% (Profitchart/Reprodução)

Quer saber como proteger seus investimentos das altas e das baixas repentinas? Conheça o curso de Opções, da EXAME Academy e entenda as estratégias vencedoras do mercado!

De acordo com a reportagem, que ouviu três fontes familiarizadas com o assunto, a MP "deve permitir que o BNDES inicie estudos sobre a desestatização da companhia" e deve ser publicada em edição extra do Diário Oficial da União ainda nesta terça. 

Um das fontes contatas pela agência de notícias também afirmou que a medida é uma forma do presidente Jair Bolsonaro "dar um sinal" ao mercado sobre o compromisso de privatizar a empresa.

A publicação da MP, se confirmada, será feita um dia após as estatais brasileiras perderem mais de 80 bilhões de reais em valor de mercado por ingerências do governo na Petrobras. Somente as ações da petrolífera caíram 21% no início da semana.

Na véspera, quando as empresas do governo derretiam na bolsa, Bolsonaro havia feito outra sinalização aos investidores, afirmando que irá sancionar a independência do Banco Central na quarta-feira, 24.

*Com colaboração de Paula Barra


Leia também

Guilherme Guilherme

Repórter de câmbio e bolsa de valores da EXAME.


Compartilhe nas redes sociais