Em primeiro balanço, Enjoei deve mostrar força do ESG na moda | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Em primeiro balanço, Enjoei deve mostrar força do ESG na moda

PUBLICADO EM: 30.3.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 15H58
Resultado dos primeiros meses de capital aberto da empresa irá ajudar a entender o potencial das práticas ambientais e sociais no setor
Ana Luiza Maclaren e Tié Lima - CEO da Enjoei Foto: Leandro Fonseca data: 05/02/2021

Ana Luiza Maclaren e Tié Lima, fundadores da Enjoei: empresa divulga resultado pela primeira vez desde abertura de capital

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A Enjoei (ENJU3) divulga nesta terça-feira, 30, os resultados do quarto trimestre e números consolidados de 2020. Essa será a primeira vez que a companhia divulga seu desempenho desde a abertura de capital, em novembro do ano passado.

O ano de 2020 foi um ano agitado para o brechó online, com a alta no e-commerce durante a pandemia, parceria com grandes empresas varejistas de moda e o IPO na Bolsa brasileira. Em 2020 a companhia também triplicou o número de usuários e anunciou novos usos para a EnjuBank, carteira digital da plataforma.

Quer entender como as práticas ambientais, sociais e de governança trazem maior competitividade às companhias? Clique aqui

A empresa conta hoje com 182 mil usuários ativos, 614 mil vendedores e cerca de 85 mil marcas registradas, segundo dados informados ao mercado no terceiro trimestre. No período, a empresa afirma ter adicionado 3,3 milhões de novos produtos ao nosso catálogo e registrou uma alta de 98% de usuários ativos, alcançando a marca de 660 mil.

No IPO realizado em novembro do ano passado, a Enjoei levantou 1,1 bilhão de reais com o valor de 10,25 reais por ação. Desde a estreia na B3, as ações da empresa chegaram a dobrar de valor no início de fevereiro, quando foi cotada a 20,90 reais por ação. Na data da publicação desta reportagem, os papéis da Enjoei estão cotados a 10,98 reais por ação.


Recomendado para você

Moda positiva

Os resultados da Enjoei também vão de encontro a uma tendência crescente no mundo da moda: o impacto socioambiental positivo. Fundada em 2009, a Enjoei afirma ser ESG em sua essência, mesmo antes da sigla que resume atitudes sociais, ambientais e de governança ganhasse popularidade no mercado.

A sustentabilidade no setor está ligada à ideia de circularidade. Ao comprar uma peça usada, o consumidor estende a vida útil daquele produto, evitando a confecção de novos itens e o descarte precoce de produtos na natureza. No caso da Enjoei, o formato de brechó online também permite aos consumidores obterem uma renda com as vendas e aproximam os compradores de peças com valores mais acessíveis, reforçando a importância social do reuso.

Além disso, a Enjoei doa todas as peças que chegam através do serviço de logística e que não são classificadas para a venda. Desde 2018, foram 150 mil peças doadas para instituições de caridade.

Governança

A Enjoei está listada no Novo Mercado, grupo da B3 que classifica as empresas com as melhores práticas de transparência e governança. A preocupação com a diversidade tem crédito nisso. De acordo com um levantamento feito pela empresa de dados financeiros Teva Índice, em parceria com a corretora Easynvest, a Enjoei é a única empresa da bolsa com mais mulheres do que homens no conselho administrativo. Dos 5 conselheiros da empresa, 3 são mulheres.

Se a moda pega

O reflexo já é sentido em outras gigantes do setor, que veem no mercado de moda de segunda mão uma grande oportunidade de negócio. No início do ano, a Enjoei fez uma parceria com a varejista C&A para que clientes pudessem vender peças usadas na plataforma com o auxílio do serviço de logística Enjoei Pro. Esse serviço faz uma curadoria das peças e se encarrega das fotos, da publicação e da logística de entrega após a venda.

A C&A e a Renner também criaram parceria semelhante com a startup de moda consciente Repassa. Os clientes da Renner podem retirar gratuitamente em determinadas lojas a Sacola do Bem, que serve para enviar ao Repassa peças de vestuário de qualquer marca que não são mais usadas e receber 60% do valor da peça.

Com as vendas da Sacola do Bem, a Repassa afirma ter doado R$ 611 mil em 2020, o triplo que foi doado no ano anteriror.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame