ESG

Emissões de gás carbônico devem registrar 2º maior avanço da história

PUBLICADO EM: 20.4.21 | 13H09
ATUALIZAÇÃO: 20.4.21 | 16H41
O levantamento aponta que as emissões globais de dióxido de carbono relacionadas à energia devem aumentar 1,5 bilhão de toneladas neste ano em comparação com 2020
1 - China

Emissões globais de gás carbônico: as emissões devem assim reverter boa parte do declínio do ano passado, causado pela pandemia da covid-19

Imagem da Editoria Exame Invest
Estadão Conteúdo



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As emissões globais de gás carbônico caminham em 2021 para o segundo maior avanço da história, de acordo com novo relatório da Agência Internacional de Energia (AIE). O levantamento aponta que as emissões globais de dióxido de carbono relacionadas à energia devem aumentar 1,5 bilhão de toneladas neste ano em comparação com 2020, puxadas por uma recuperação forte na demanda por carvão para gerar eletricidade.

  • Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

As emissões devem assim reverter boa parte do declínio do ano passado, causado pela pandemia da covid-19. O recorde de avanço anual das emissões ocorreu em 2010, durante a recuperação da crise financeira global.

A AIE estima que as emissões de gás carbônico aumentarão em quase 5% neste ano, para 33 bilhões de toneladas, diante sobretudo do aumento na demanda por carvão (de 4,5%), que se aproxima de seu pico histórico de 2014, nota a entidade.

A agência afirma que os números são um alerta "de que a recuperação econômica da crise da covid é atualmente insustentável para nosso clima", segundo o diretor executivo da AIE, Fatih Birol. "A menos que governos pelo mundo se mexam rápido para começar a cortar emissões, devemos enfrentar situação ainda pior em 2022", advertiu Birol, considerando a cúpula de líderes sobre o clima organizada nesta semana pelos EUA como "um momento crucial para compromisso com ações claras e imediatas".

A demanda global por energia deve aumentar 4,6% em 2021, puxada por mercados emergentes. O petróleo também tem aumento na demanda, mas deve ficar abaixo do pico de 2019, com o setor de aviação ainda pressionado, nota a AIE.

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Estadão Conteúdo


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame