Exame Invest
Carreira

Empresas devem ajudar na educação financeira dos profissionais

PUBLICADO EM: 20.9.21 | 11H01
Webinar organizado pela EXAME, Alight, SalaryFits e Zetra teve a participação de gestores de RH do Superior Tribunal de Justiça e da Neoway
Educação continuada

O tema da educação financeira no ambiente de trabalho ganha mais espaço nas empresas | Foto: Thomas Barwick/Getty Images

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Gestores e executivos estão “descendo do Olimpo” para entender a relação de seus profissionais com o dinheiro, gerar impacto real no bem-estar financeiro deles e de suas famílias e trabalhar para aumentar a produtividade das organizações. O resumo foi apresentado por Humberto Souza, Diretor de Operações da consultoria Alight, durante o webinar “A saúde financeira do trabalhador como estratégia de retenção de talentos”, que reuniu executivos C-level no dia 24 de agosto.

Líderes dos setores público e privado debateram sobre como as suas organizações têm feito não só para engajar as pessoas mas também para criar uma cultura financeira sustentável. “Trata-se de uma discussão que se refere tanto àquela dor que sentimos à noite, angustiados para encontrar uma solução para aquilo que está ocorrendo em nossa vida, como é algo do que se ocupa a questão de Estado, políticas públicas e da macroeconomia”, afirmou Délber Lage, CEO da SalaryFits, fintech de benefícios com desconto em folha.

Para a executiva Michele Martins, vice-presidente de Gente e Gestão da Neoway, empresa de Big Data Analytics e Inteligência Artificial para negócios, a questão financeira está cada vez mais próxima das empresas. Ela atribui a mudança de comportamento à percepção cada vez mais clara do impacto que as finanças têm no desempenho dos profissionais. A gestora reforçou que isso não é apenas uma questão das empresas de tecnologia, mas um assunto necessário para empresas com a cultura ágil.

“A divisão entre o trabalho e o particular praticamente desapareceu com a pandemia, pois o trabalho acabou invadindo um pouco a vida privada. A partir daí, o cuidado foi colocado como uma prioridade direta dos nossos executivos, não só do RH, para priorizar a saúde mental e física e os benefícios. Aqui criamos uma frente capaz de olhar de uma maneira distinta esses trabalhos em tempos de distanciamento físico, e mais, de confinamento com o isolamento social. As organizações que não olham para isso estão perdendo a oportunidade de engajar seus colaboradores”, alertou.

É uma situação acompanhada de perto por Octávio Barbosa Nenevê, Coordenador de RH do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por se tratar de um ambiente público, o gestor afirma que existem diferenças, que vão desde o mindset dos próprios profissionais devido à estabilidade do trabalho até a legislação, mas que não inviabilizam iniciativas para valorização. Segundo ele, muitas pessoas ainda não se sentem à vontade para expor sua condição financeira e por isso a abordagem precisa ser sutil.

“Às vezes as dificuldades financeiras não querem dizer que as pessoas estão com problemas, afinal, elas podem ter dinheiro depois. A questão é como elas utilizam o crédito, como podem colaborar com as menores taxas de transações bancárias. Devido ao fato de o pagamento de salário ser previsto em lei, eles não trabalham com aumentos de maneira efetiva como no setor privado. Ainda mais a partir da definição do teto de gastos. Então trabalhamos na conscientização dos valores, pois em muitos casos as contas podem sair do controle devido à falta de cultura da educação financeira em todo o país”, afirmou.

Pedro Valente, co-CEO da EXAME, reforçou o cumprimento básico da organização das finanças. Para o executivo, pouco adianta as pessoas quererem aderir a novidades como o investimento na Bolsa de Valores e seguirem com dívidas no cheque especial ou sem uma planilha de gastos básicos do orçamento familiar. O especialista falou sobre a importância de valorizar a comunicação e a educação financeira com uma troca constante entre a empresa e os colaboradores, permitindo a criação de um pacote de benefícios engajadores e com soluções claras.

“As pessoas devem ser estimuladas a demandar das empresas o que elas precisam. Aqui, na EXAME, os colaboradores estão pedindo cursos. Outro ponto a se destacar são os influenciadores de confiança. Afinal, as marcas fortes já têm critério de qualidade e ajudam a fortalecer essa compreensão. Nas escolas americanas, por exemplo, há uma aula de economia da casa, ou seja, aprende-se a cuidar do orçamento, logística da casa e dos filhos, a cozinhar etc. São iniciativas que permitem uma melhor compreensão sobre o mundo. Não adianta saber apenas fórmulas de matemática e não entender de orçamento ou de pagar impostos. São passos importantes e que devem ser levados aos filhos”, explicou Valente.

Délber Lage acrescentou que é preciso também levar em consideração que pessoas estabilizadas no trabalho não estão necessariamente bem financeiramente..

“É muito comum que se avalie a oferta de crédito como algo ruim. No entanto a verdade é que existe um consumo ruim desses créditos e não é disso que estamos falando. Pode ser uma necessidade de que todas as pessoas têm, especialmente em meio à pandemia da Covid-19. Não podemos nos esquecer dos impactos na economia e no orçamento das pessoas e que um profissional bem orientado pode fazer uso desse crédito com responsabilidade”, acrescentou.

Para democratizar a informação aos gestores de RH e permitir mais ações voltadas para a saúde financeira dos profissionais brasileiros, a organização do evento disponibilizou um e-book com todo o conteúdo do webinar, gráficos, pesquisas e casos reais que você pode conferir acessando este link.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame