Empresas querem executivos do petróleo para assessoria climática | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Empresas querem executivos do petróleo para assessoria climática

PUBLICADO EM: 1.4.21 | 15H30
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 15H24
Nas últimas semanas, empresas como Daimler AG e Goldman Sachs escolheram executivos da petroleira Shell para desempenhar papéis estratégicos relacionados à gestão climática
shell

Nas últimas semanas, empresas como Daimler AG e Goldman Sachs escolheram executivos da petroleira Shell para desempenhar papéis estratégicos relacionados à gestão climática

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

À medida que as empresas se comprometem cada vez mais com as metas de emissões líquidas zero, algumas estão recorrendo a uma fonte improvável para ajudá-las a limpar suas operações: a indústria de petróleo e gás.

Na quarta-feira, os acionistas da montadora Daimler AG votaram no chefe da Royal Dutch Shell Plc, Ben van Beurden, para seu conselho fiscal. A diretora financeira da petrolífera anglo-holandêsa, Jessica Uhl, também assumirá uma posição de consultoria no Goldman Sachs Group Inc. em julho, se receber votos para diretora independente em 29 de abril.

“Eu acredito que posso trazer ideias, conhecimento e experiência para a Daimler, com o cenário de energia em constante mudança,” van Beurden disse aos acionistas na assembleia geral anual da montadora nesta semana.

O CEO do Goldman Sachs, David Solomon, disse no início deste mês que Jessica Uhl, da Shell, estava “bem posicionada” para aconselhar o banco em tópicos que vão do desenvolvimento estratégico à gestão de risco climático. Ele mencionou especificamente a experiência da CFO em sustentabilidade como sendo valiosa.

A decisão de recorrer aos executivos do petróleo parece estar em desacordo com um setor de transporte que está sob pressão para reduzir as emissões de carbono e um setor bancário sob crescente escrutínio por suas ligações com a indústria de combustíveis fósseis. No entanto, a Shell, como a maioria de seus pares europeus, está criando sua própria estratégia para se tornar mais verde.

A empresa prometeu diminuir suas emissões de carbono e se concentrar em fontes de energia mais limpas, enquanto pretende reduzir sua produção de petróleo em até 2% ao ano. Ainda assim, o caminho para o zero líquido pode ser longo, com a maior parte das emissões de gases de efeito estufa da empresa apenas caindo no ano passado, como resultado da venda de ativos e do impacto da pandemia na demanda global de petróleo.


Recomendado para você


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame