Exame Invest
Mercados

Entenda por que uma panda prenha valoriza ações na bolsa de Tóquio

PUBLICADO EM: 4.6.21 | 11H32
ATUALIZAÇÃO: 4.6.21 | 17H13
As autoridades do famoso zoológico Ueno relataram que a panda Shin Shin parece estar grávida após ter acasalado com o macho Ri Ri no início de março
O panda Shin Shin no Zoológico de Ueno, em Tóquio, em 3 de junho de 2021

Panda: a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, deu a notícia à imprensa no meio da manhã e as ações dos restaurantes localizados próximos ao zoológico subiram

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A dúvida acerca do fato de uma panda gigante fêmea de um zoológico de Tóquio estar prenha ou não gerou entusiasmo do público e dos investidores nesta sexta-feira (4) e fez subir as ações de redes de restaurantes próximas.

As autoridades do famoso zoológico Ueno, que reabriu nesta sexta-feira após cinco meses de fechamento devido ao coronavírus, relataram que a panda Shin Shin parece estar grávida após ter acasalado com o macho Ri Ri no início de março.

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, deu a notícia à imprensa no meio da manhã e as ações dos restaurantes localizados próximos ao zoológico subiram, prevendo um aumento nas visitas ao local caso um bebê panda nasça.

Com isso, as ações da rede de restaurantes chinesa Totenko subiram 29% antes de fechar em 1.103 ienes, ou seja, uma alta de 9,4% em relação ao fechamento de quinta-feira. As ações de outra rede de restaurantes, a Seiyoken, ficaram 8% mais altas.

Essa gravidez seria uma boa notícia para a capital japonesa, que se prepara para receber os Jogos Olímpicos neste verão, apesar das incertezas que o evento esportivo desperta na população, por conta do coronavírus.

Koike alertou que a gravidez de pandas gigantes é, em última análise, um alarme falso, mas garantiu que a fêmea mostra "os sinais geralmente presentes na gravidez". Os pandas do Zoológico de Ueno atraem muitos turistas locais e estrangeiros há anos.

Xiang Xiang, uma fêmea nascida em 2017, filha de Shin Shin e Ri Ri, seria repatriada para a China dois anos depois, mas as autoridades japonesas conseguiram mantê-la no zoológico até o final deste ano.

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame