Exame Invest
Mercados

Esta commodity aumentou 1.000% em um ano. A previsão: vai subir mais

PUBLICADO EM: 9.8.21 | 20H37
Compromisso das maiores economias em atingir metas de redução de carbono vai pressionar cada vez mais para que gás natural seja a fonte de transição nas próximas décadas
planta-gás-natura-bolivia

Complexo de produção de gás natural próximo de Santa Cruz, Bolívia | Foto: Noah Friedman-Rudovsky/Getty Images

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A era do gás natural barato acabou, dando lugar a um período de energia muito mais cara que deve criar um efeito cascata na economia global.

O gás natural, usado para gerar eletricidade e aquecer residências, foi abundante e barato durante grande parte da última década em meio à expansão da oferta dos Estados Unidos à Austrália.

Esse quadro foi revertido neste ano, uma vez que a demanda passou a superar em muito a nova oferta. As tarifas do gás na Europa atingiram recorde na última semana, enquanto as entregas do combustível liquefeito para a Ásia estão perto de uma máxima histórica para esta época do ano.

  • Aprenda a investir orientado pela temática que está transformando o mundo e os negócios

Com poucas opções, o mercado mundial deve depender cada vez mais do gás menos poluente em substituição ao carvão para ajudar a atingir metas verdes de curto prazo. Mas, à medida que produtores limitam investimentos em novos suprimentos sob pressão de investidores e governos preocupados com o clima, fica claro que a energia cara veio para ficar.

“Não importa como você olhe para isso, o gás será o combustível de transição nas próximas décadas, já que as maiores economias estão comprometidas em atingir as metas de emissão de carbono”, disse Chris Weafer, CEO da Macro-Advisory, com sede em Moscou. “O preço do gás tende a permanecer elevado no médio prazo e subir no longo prazo.”

Em 2024, a demanda deve aumentar 7% em relação aos níveis anteriores à Covid-19, de acordo com a Agência Internacional de Energia. Mais além, o apetite por gás natural liquefeito deve crescer 3,4% ao ano até 2035, ultrapassando outros combustíveis fósseis, de acordo com análise da McKinsey.

Com o aumento dos preços do gás natural, será mais caro abastecer fábricas ou produzir petroquímicos, atingindo todos os cantos da economia global e reforçando os temores de inflação. Para consumidores, o custo será refletido nas contas mensais de energia e gás. Vai custar mais para usar uma máquina de lavar, tomar um banho quente e preparar o jantar.

É uma notícia especialmente ruim para países mais pobres, como Paquistão e Bangladesh, que reformularam as políticas de energia com base na premissa de que o preço do combustível seria mais baixo por mais tempo.

As tarifas do gás natural na Europa aumentaram mais de 1.000% em relação a uma mínima histórica em maio de 2020 devido à pandemia, enquanto as taxas do GNL (gás natural liquefeito) na Ásia multiplicaram por seis no último ano.

Até mesmo os preços nos Estados Unidos, onde a revolução do gás de xisto aumentou significativamente a produção do combustível, atingiram o nível mais alto para esta época do ano em uma década.

Embora existam vários fatores temporários que têm elevado os preços do gás, como interrupções no fornecimento, recuperação econômica global e uma pausa em novas usinas de exportação de GNL, há um consenso crescente de que o mundo enfrenta uma mudança estrutural, impulsionada pela transição energética.

 

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame