Estes 5 gráficos mostram por que o mundo deve abrir os olhos para Bolsas emergentes | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Estes 5 gráficos mostram por que o mundo deve abrir os olhos para Bolsas emergentes

PUBLICADO EM: 7.3.21 | 12H00
ATUALIZAÇÃO: 7.3.21 | 16H10
Emergentes têm fatia de 14% do mercado de ações mundial e 43% do PIB global; para professores da London Business School, eles se tornaram "importantes demais para serem ignorados"

Resumo do investidor

Entenda o que está em jogo: (1) O peso de países emergentes na economia global tem aumentado; (2) e isso abre oportunidades para ganhos maiores do que os de países desenvolvidos; (3) O investimento em emergentes deveria fazer parte do portfolio, aponta estudo

Traders work on the floor of the NYSE in New York

Riscos de mercados emergentes estão em queda, aponta estudo (REUTERS)

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Na última quinta-feira, 4, o Credit Suisse publicou seu relatório anual de retornos de investimentos globais de 2021, que é compilado há mais de duas décadas por um trio de historiadores financeiros da London Business School, Elroy Dimson, Paul Marsh e Mike Staunton

O estudo, que oferece dados desde 1900, abrange 32 mercados individuais, sendo que nove foram incluídos neste ano, entre eles, o Brasil. 

Quer investir nas ações com maior potencial de pagamentos de dividendos da Bolsa? Confira aqui como acessar a carteira recomendada da EXAME Invest Pro

O relatório deste ano dá uma atenção especial aos mercados emergentes, que têm ganhado cada vez mais importância na alocação das carteiras de investimentos globais. 

“Os emergentes são agora investimentos convencionais, com papel essencial nas carteiras globais. Eles já são importantes demais para serem ignorados”, escreveram Dimson, Marsh e Staunton, no relatório. 

Hoje, os mercados emergentes representam 14% da capitalização do mercado de ações mundial e 43% do PIB (Produto Interno Bruto) global. Há 20 anos, correspondiam a menos de 3% do universo de ações do mundo e 24% do PIB. 

Para os professores, essa fatia deve aumentar ainda mais. A relevância dos mercados emergentes “deve crescer de forma constante, à medida que essas economias continuem a avançar a passos mais rápidos do que o mundo desenvolvido, que os mercados domésticos se abram ainda mais para investidores globais e que a porcentagem do free float (das ações em circulação no mercado) aumente”, comentaram. 

Além disso, eles ressaltaram que, com os mercados perto de novos recordes, esta é a hora dos investidores refletirem sobre o que esperar do futuro. 

“A geração baby boomers se beneficiou de um desempenho excelente de ações, títulos e portfólios combinados com ambos os ativos. Seus netos da geração Z enfrentarão um futuro com uma expectativa muito mais reduzida de retornos sobre investimento”, pontuou Marshal. 

Enquanto a geração baby boomers (nascidos entre 1946 e 1964) experimentou um retorno real anualizado de 7,1% para investimentos em ações e cerca de 6,4% de um portfólio combinado (com 70% de ações e 30% em títulos), a geração Z (nascidos de 1997 a 2012) deve ter que lidar com um retorno bem menor, mostra o estudo.


Recomendado para você

Nas projeções dos professores, as ações devem oferecer um retorno real anualizado de 3% enquanto um portfólio combinado (com ações e títulos), de cerca de 2% — ou praticamente um terço do desfrutado pelas três gerações anteriores.

"Muitos poupadores, investidores, fundos de pensão e instituições serão desafiados por um mundo de baixo retorno", disseram. Nesse sentido, o caminho mais atrativo para enfrentar isso, apontaram, deverá ser pela busca da diversificação.

Abaixo, cinco gráficos do relatório do Credit Suisse que mostram por que o mundo deve voltar os olhos para os emergentes:

1) Peso dos Emergentes vs Desenvolvidos

Hoje, os emergentes correspondem a 14% da capitalização do mercado de ações global e 43% do PIB mundial, contra uma fatia de 3% e 24%, respectivamente, há 20 anos.

2) O risco dos mercados emergentes tem caído

A volatilidade anualizada de um portfólio diversificado em mercados emergentes — sendo representados pelo índice MSCI Emerging Markets — está em 17,6%, apenas um pouco acima de um portfólio diversificado em mercados desenvolvidos  — representados pelo índice MSCI World —, em 15,1%, mostra o estudo.

Portanto, "os investidores não devem ser dissuadidos de investir em emergentes por causa do risco. O risco caiu drasticamente ao longo dos últimos 20 anos", comentaram os professores.

3) A correlação dos desenvolvidos com emergentes aumentou, mas ainda oferece boa alternativa de diversificação

Segundo o relatório, a correlação média entre os mercados emergentes e desenvolvidos cresceu nos últimos anos, mas ainda permanece bem abaixo de um, o que indica que esses ativos ainda oferecem uma boa alternativa de diversificação para o investidor, além do benefício com a redução do risco.

4) Os emergentes têm superado os desenvolvidos desde 1960

Embora os mercados desenvolvidos tenham superado o retorno dos emergentes no acumulado de 1900 até 2020 (com ganhos, em dólares, de +16.714%, contra +2.943%), desde 1960, os emergentes têm superado a performance das ações de países desenvolvidos em 1,5% ao ano.

De acordo com o estudo, de 1960 até 2020, o retorno anualizado dos emergentes foi de 11,2%, versus 9,5% dos desenvolvidos. No entanto, considerando de 1900 até o ano passado, a rentabilidade anualizada é de 6,8%, contra 8,4%.

5) Mercados individuais têm mostrado desempenho ainda mais robustos

Os professores apontaram ainda que, em termos de retornos sobre ações, o mundo emergente tem oferecido "uma perspectiva de um desempenho potencialmente fabuloso para os mercados individuais".

"Este foi o caso do Japão no pós-Segunda Guerra Mundial; posteriormente, ele se tornou um mercado desenvolvido. De forma semelhante, tem havido retornos excelentes em Hong Kong (hoje também considerado um mercado desenvolvido), na Coreia do Sul e em Taiwan", comentaram.

Da análise individualizada de 12 mercados, Taiwan é o que mostra o maior retorno real anualizado em dólares de 10,4%, enquanto o Brasil aparece na lanterna, com 5,5%. Em termos relativos, Taiwan também lidera, superando os mercados desenvolvidos em 4,4% ao ano. O pior desempenho relativo vem do Brasil, que, desde o início da série observada no estudo (em 1951), teve um desempenho inferior em 1,3% ao índice de mercados desenvolvidos.

A China, hoje maior mercado emergente (com 39% de peso entre essa classe de ativos), teve um desempenho real anualizado de 6,3%, em linha com os mercados desenvolvidos. "Isso apesar de um crescimento sem precedentes do PIB real do país nos últimos 30 anos de 9,2% ao ano, contra 2,3% para os EUA. Isso é um lembrete da falta de relação entre o crescimento do PIB de longo prazo e o desempenho das ações", comentaram os professores.

 


Leia também

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame