Exame Invest
Onde Investir

Fundo KISU11 aprova split de cotas para atrair pequeno investidor

PUBLICADO EM: 23.7.21 | 12H50
ATUALIZAÇÃO: 23.7.21 | 14H43
Assembleia aprovou desdobramento das cotas do FII de 1 para 10, abaixando o preço para a casa dos R$ 10

Resumo do investidor

1. Desdobramento das cotas do KISU11 leva preço à casa dos 10 reais; 2. Gestora defende que split vai democratizar acesso ao fundo; 3. Expectativa é que rendimento de outros fundos imobiliários sejam reaplicados no FoF.

Na imagem a região da Av. Faria Lima. Confira as profissões em alta no mercado financeiro

O KISU 11 segue a carteira teórica do índice de referência SUNO 30, que filtra os 30 maiores fundos do IFIX em patrimônio líquido| Foto: Germano Lüders/Exame

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A partir da próxima semana, o investidor que tiver 10 reais já pode investir no KISU11, fundo de fundos (FoF) imobiliário. A assembleia de cotistas do fundo aprovou na última quarta-feira, 21, o desdobramento das cotas do FII de 1 para 10. 

No processo, também conhecido como split, o investidor que detém uma cota do KISU11 passa a ter 10 cotas do fundo, com valor reajustado. Assim, se hoje uma cota custa em torno de 100 reais, passará a custar 10 reais depois do desdobramento. Vale lembrar que a grande maioria dos fundos imobiliários é negociada na casa dos 100 reais.

Para Eduardo Levy, sócio-fundador da Kilima Asset e gestor do KISU11, a mudança é um passo importante para democratização do acesso ao fundo. “O KISU11 fica mais fracionado e acessível, permitindo que novos investidores entrem no universo já em franca expansão dos fundos imobiliários”, afirma.

Um dos planos da gestora com o desdobramento é que investidores passem a aplicar os rendimentos recebidos de outros fundos no próprio KISU11.

“O desdobramento permite que os investidores possam diversificar sua carteira através de um FoF imediatamente após receberem os rendimentos de outros fundos”, explica Renato Mekbekian, sócio da gestora. 

O KISU 11 faz a gestão ativa da carteira teórica do índice de referência SUNO 30, que filtra os 30 maiores fundos do IFIX em patrimônio líquido, excluindo os monoativos (que investem apenas em um único ativo) e aqueles não pagaram dividendos nos últimos 12 meses.

O fundo nasceu em outubro de 2020 via oferta restrita para investidores qualificados, e as negociações na B3 começaram em janeiro de 2021. Desde então, o número de cotistas saltou de 54 para 30 mil, e o patrimônio aumentou de 76 milhões reais para 500 milhões.

Segundo a gestora, o aumento do patrimônio líquido foi a justificativa para que o fundo diminuísse a taxa de administração de 0,65% ao ano para 0,6% ao ano. 

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem seus investimentos. Assine a EXAME

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame