Academy

Como gerar renda vitalícia com FIIs? Arthur Vieira de Moraes explica

PUBLICADO EM: 13.5.21 | 15H03
Em entrevista à EXAME, especialista conta sua trajetória no mercado financeiro e dá dicas de investimentos para quem busca viver de renda

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Viver de renda é o sonho de milhões de brasileiros. Mas muitos ainda desconhecem como acumular patrimônio suficiente para alcançar a independência financeira. A boa notícia é que há quem consiga explicar o melhor caminho para isso. Uma dessas pessoas é Arthur Vieira de Moraes, especialista em fundos imobiliários (FIIs).

Para ele, viver com os rendimentos de investimentos em FIIs é algo tão possível quanto viver de aluguel de imóveis físicos – algo que muitos brasileiros almejam ao comprar uma casa ou apartamento. E explica que a diferença é que, por meio dos FIIs, a estratégia é mais acessível, viável e segura.

Formado em direito e mestre em administração com ênfase em finanças, Moraes é professor da EXAME Academy e de outras instituições renomadas, como a FGV. Apresenta também o programa FIIs em EXAME, no YouTube. “Entrevisto agentes do mercado que me fazem aprender sempre mais”, conta.

De 17 a 24 de maio, Moraes estará na Semana da Renda Vitalícia, evento online e gratuito em que ele conta as melhores estratégias de investimento para quem deseja lucrar com imóveis sem precisar comprar um. Em entrevista à EXAME, ele conta sua trajetória e dá dicas para quem deseja viver de renda.

Quando começou a se interessar pelo mercado financeiro?

Desde criança. Quando nasci, meu pai já trabalhava na área. Investimentos e bolsa de valores foram assuntos comuns no meu dia a dia. Em 1999, com 21 anos, comecei a trabalhar com o meu pai e meu irmão como agente autônomo de investimentos.
Passei por várias crises e euforias do mercado financeiro, tive muitos clientes com perfis diferentes e trabalhei em diversas corretoras. Essa trajetória me ajudou a ganhar experiência com investimentos e com pessoas.

Como foi sua trajetória no mercado financeiro?

Sou formado em direito (UNIP), pós-graduado em produtos financeiros e gestão de risco (FIA), mestre em administração com ênfase em finanças (FECAP) e doutorando em administração (FEA/USP, 2023).

Em 2012, comecei a dar aulas de finanças paralelamente à atividade de assessor de investimentos, o que me obrigou a estudar muito mais e, principalmente, a ver o mercado financeiro por diversos ângulos.

Em 2018, deixei de ser agente autônomo e passei a ser consultor de valores mobiliários, mas me dedico principalmente às atividades de professor. Além da EXAME Academy, dou aulas em instituições como ANBIMA, B3, FIA, FIPE, FIPECAFI, FGV e IBMEC.

Como foi sua entrada no mundo dos fundos imobiliários?

Ainda trabalhava como assessor de investimentos, em 2010, quando vi um ativo que desconhecia sendo negociado, fiquei curioso e fui pesquisar. Era um fundo imobiliário. Foi quando me dei conta que essa classe de ativos tinha um enorme potencial de crescimento e resolvi me especializar no assunto.

Comecei a estudar com o que havia disponível na época, como os prospectos das emissões de cotas, além de conversar muito com gestores de fundos. Escrevi minha dissertação de mestrado sobre FIIs e publiquei artigos acadêmicos e técnicos.

Também sempre me dediquei a ensinar sobre FIIs. Em 2012, já escrevia para a EXAME, respondia às dúvidas dos leitores sobre fundos imobiliários. Em 2020, me juntei à EXAME para difundir ainda mais o conhecimento sobre FIIs.

Afinal, é realmente vantajoso investir em FIIs?

Estamos falando de um investimento que reúne a tradição dos imóveis ao dinamismo e transparência da bolsa de valores. A lógica de um FII é simples de entender: investir em imóveis. Com a facilidade de negociar pela B3, qualquer pessoa consegue acumular patrimônio gerador de renda, investindo em cotas de FII.

Quem investe em imóveis melhora a qualidade, diminui os riscos e pode aumentar a rentabilidade do seu patrimônio, incluindo FII. Quem já investe em ações diminui muito o risco do portfólio, passa a ter renda mensal e rentabilidade bem parecida com a das ações. O investidor que possui seu patrimônio investido apenas em renda fixa encontra nos FIIs a maneira ideal de iniciar no mercado de renda variável, com risco bem menor do que o das ações.

FIIs ou imóveis físicos: qual a melhor opção para quem busca renda vitalícia?

Um dos motivos que faz com que FIIs tenham sucesso no mundo todo é a possibilidade de qualquer investidor acessar imóveis de alto padrão, que poucos poderiam comprar diretamente. São grandes escritórios, galpões de logística, shoppings, supermercados, faculdades, enfim, grandes imóveis. Os FIIs também proporcionam a chance de começar com pouco e poder diversificar entre vários setores e localidades, o que diminui muito o risco de investimento.
Também há uma maior facilidade para comprar e vender, sem burocracia.

Os custos transacionais que são ínfimos, basicamente comprar ou vender cotas de FII custa 0,035% do valor negociado, enquanto comprar e vender imóveis tem altos custos com cartório, tributos e corretagem. E é preciso lembrar do incentivo fiscal! Os rendimentos distribuídos são isentos de imposto de renda (para investidores pessoas físicas), enquanto o aluguel é tributado em até 27,5%.

Participe da Semana da Renda Vitalícia e veja mais dicas para buscar sua renda extra com imóveis de maneira prática e segura

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame