MERCADOS

Goldman aumenta aposta em ações prejudicadas pela pandemia de olho em recuperação

PUBLICADO EM: 1.3.21 | 14H10
ATUALIZAÇÃO: 1.3.21 | 15H40
Expectativa de reabertura das economias faz banco optar por papéis de setores enfraquecidos, como viagens e commodities

Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

(Bloomberg) O estrategista-chefe de renda variável global do Goldman Sachs diz que o mercado tem subestimado o potencial da recuperação econômica neste ano, e que ações de valor e cíclicas mais baratas serão as maiores vencedoras dessa retomada.

Quer entender como a pandemia está impactando os seus investimentos? Conte com a assessoria especializada do BTG Pactual Digital

“A tendência subjacente é bastante clara: estamos entrando em um período de crescimento global muito sincronizado”, disse Peter Oppenheimer, do Goldman, em entrevista à Bloomberg TV, acrescentando que espera crescimento global de 6,5% neste ano em meio a políticas monetárias e fiscais de apoio, bem como ao aumento dos preços das commodities. “Essas condições ainda são muito favoráveis para cíclicas e valor.” Para ele, ainda há espaço para ganhos.

A semana passada foi de perdas para os índices acionários globais, quando investidores se desfizeram de papéis mais caros, como ações de tecnologia, em meio a preocupações com o aumento dos rendimentos dos títulos públicos. No entanto, o recuo dos ativos de risco não durou muito, e investidores começaram a comprar papéis baratos na sexta-feira. O foco nesta semana migrou para o otimismo com a rápida vacinação e planos de reabertura da economia.

O desempenho de ações mais baratas, ou de valor, superou empresas com forte crescimento em fevereiro. O índice MSCI World Value subiu 4,5% em contraste com ganho de apenas 0,3% para o indicador MSCI World Growth. Oppenheimer, do Goldman, disse que há potencial de alta para apostas na reabertura, como em viagens e lazer, bebidas, bancos, setores de commodities e infraestrutura de transporte.

A bolsa está cheia de oportunidades. Não fique de fora, conte com a ajuda da Exame Invest Pro

“Essas são áreas que ainda parecem baratas e podem se beneficiar muito com o tipo de forte retomada do crescimento que esperamos a partir de meados do ano, motivada pela distribuição mais rápida de vacinas, especialmente no Reino Unido, nos EUA”, disse. Altos níveis de poupança devem se traduzir em forte aumento do consumo à medida que as restrições forem flexibilizadas, acrescentou.

Ao mesmo tempo, o Goldman ainda gosta de algumas empresas de tecnologia, mas observa que há menos espaço para melhora das estimativas, já que esses vencedores da pandemia são mais vulneráveis em termos de valuations, rendimentos de títulos mais altos ou curva de rendimento mais inclinada, disse Oppenheimer.

Sobre a onda vendedora no mercado de títulos, Oppenheimer disse que investidores de ações vão agora observar a velocidade, o nível e a razão por trás do aumento dos rendimentos. Um aumento de 40 pontos-base dos rendimentos dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA em um mês pode levar a retornos negativos no mercado de ações. disse. Mas, normalmente, o aumento das taxas e expectativas de inflação são positivos para as ações, porque reduzem o risco implícito de recessão e deflação, disse Oppenheimer.

“Se for um movimento gradual, acho que as ações podem ter um desempenho muito bom em termos de valor e cíclicos também. Se for uma mudança muito rápida, começaremos a ter problema”, disse Oppenheimer. “Mas, se for um aumento dos juros nominais e pontos de equilíbrio refletindo uma confiança mais forte no crescimento e na inflação, isso é muito mais positivo.”


Recomendado para você


Leia também

Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.


Compartilhe nas redes sociais