Exame Invest
ESG

Hidrogênio verde, uma corrida em todos os continentes

PUBLICADO EM: 30.3.21 | 11H03
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 15H33
O gás é visto como o elo para a transição ecológica, e contribuiria para reduzir as emissões da indústria e dos transportes pesados
Trem movido a hidrogênio da Alstom

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Estados e grupos industriais dos quatro pontos cardeais estão competindo em anúncios de projetos e de investimentos na corrida pelo hidrogênio verde, embora todos estejam de olho na China.

A Exame Academy lançou um curso sobre ESG -- práticas ambientais, sociais e de governança. Conheça agora

Visto como o elo que falta para a transição ecológica, este gás, ainda produzido com combustíveis fósseis, contribuiria para reduzir as emissões da indústria e dos transportes pesados e ofereceria um meio para o armazenamento da energia renovável - desde que seja "ecológico".

Embora ainda seja cara, essa perspectiva é um sonho dourado especialmente na Europa, que perdeu o bonde dos componentes solares e das baterias, praticamente monopolizado pela China. O objetivo é controlar toda cadeia, ou pelo menos parte dela.

Obtido pela eletrólise da água com eletricidade renovável, o hidrogênio "verde" precisa desenvolver tanto a demanda quanto as aplicações, ou as infraestruturas de transporte.

Vários planos nacionais já foram anunciados para relançá-lo, combinando cooperação e estratégias, às vezes diferentes, do hidrogênio 100% verde com o nuclear, ou mesmo o gás.

Os Estados Unidos têm um novo roteiro nesta área. A Alemanha espera investir 9 bilhões de euros (10,6 bilhões de dólares) até 2030; França e Portugal, 7 bilhões de euros cada (ou 8,25 bilhões de dólares); Reino Unido, 12 bilhões de libras (ou 16,5 bilhões de dólares); e Japão e China, US$ 3 bilhões e 16 bilhões de dólares, respectivamente, para deixar sua produção mais ecológica. Os números são da consultoria Accenture.

No total, "estão em projeto 76 gigawatts de capacidade de produção, 40 deles anunciados no ano passado", afirmou Gero Farruggio, da consultoria Rystad Energy, acrescentando que a Austrália concentra "metade dos principais projetos".

Domínio asiático?
O norte da Ásia se posicionou: Japão, que tem grandes necessidades e está trabalhando no projeto de navios para transporte de hidrogênio, Coreia do Sul e, principalmente, China.

"Dadas as suas necessidades, (a China) vai com tudo, incluindo hidrogênio, especialmente para a mobilidade", diz Nicolas Mazzucchi, da Fundação para Pesquisa Estratégica.

A China desenvolve um modo de produção ligado a reatores nucleares, embora sua produção atual seja procedente do carvão. Atrai atores de todo mundo: fabricantes de células de combustível para veículos (a canadense Ballard, a francesa Symbio) e estações de recarga (Air Liquide), por exemplo.

"Com sua vontade de descarbonizar (sua economia) e sua capacidade de fazer os preços baixarem, a China pode dominar o fornecimento de eletrolisadores, como ocorre com os módulos solares? Parece provável", diz Gero Farruggio.

Adiante, a Europa está-se preparando.

"Três países se destacam", afirma diz Charlotte de Lorgeril, da consultoria da Sia Partners, que cita Alemanha, "adiantada em relação aos transporte"; França, "mais avançada na produção"; e Holanda, que tem infraestruturas importantes de gás.

A União Europeia (UE) espera, até 2050, ter seu leque de oferta de energia composto por 12% a 14% de hidrogênio, contra atuais 2%. Para isso, estimula a cooperação.

O que não impede a Alemanha de se tornar o "primeiro fornecedor" do mundo, afirma seu ministro da Economia, Peter Altmaier.

Menos otimista, Nicolas Mazzucchi teme que a UE compense sua "falta de estratégia energética global", transformando o hidrogênio na panaceia do momento.

No setor industrial, os produtores tentam se impor comprando, principalmente start-ups, ou consórcios. É o caso da Total e da Engie, parceiros para desenvolver a maior planta, na França, de produção de hidrogênio verde.

Se essa euforia persistir e se concretizar, o hidrogênio pode contribuir para subverter o mapa mundial de energia. Acordos e interdependências já estão sendo criados nesse sentido.

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame