Exame Invest
Mercados

Hypera, minério de ferro, PMIs, IPCA e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 23.7.21 | 7H06
ATUALIZAÇÃO: 23.7.21 | 7H50
Bolsas internacionais avançam com dados econômicos acima do esperado e balanços corporativos no radar

Hypera: empresa irá apresentar balanço nesta noite | Foto: Hypera Pharma/Divulgação

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

As principais bolsas do exterior avançam nesta manhã de sexta-feira, 23, com investidores atentos à agenda de resultados do segundo trimestre e aos últimos dados macroeconômicos. Apesar do ambiente positivo no mercado de ações, o dólar sobe contra moedas desenvolvidas e opera de forma mista frente a divisas emergentes.

Nos Estados Unidos, os índices S&P 500, Dow Jones e Nasdaq sobem cerca de 0,4% no mercado de futuros. Já na Europa, onde investidores digerem os índices de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês), o Stoxx 600 avança quase 0,8%. 

Divulgados nesta manhã, os PMIs da Zona do Euro superaram as estimativas, ficando acima dos 60 pontos, distante da linha dos 50 pontos que divide a contração da expansão da atividade. No continente, o destaque ficou para os PMIs da Alemanha, onde o industrial bateu 65,6 pontos e o de serviços, 62,6 pontos. Na bolsa de Frankfurt, o índice DAX sobe 0,77%. 

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Às 10h45 será a vez de serem divulgados os PMI dos Estados Unidos. A expectativa do mercado é de que o PMI industrial fique em 62 pontos e o de serviços em 64,8 pontos. Recentemente, dados americanos do setor de serviços saíram abaixo das expectativas, levantando dúvidas sobre o ritmo de recuperação da maior economia do mundo.

No Brasil, investidores irão repercutir a prévia do IPCA referente à primeira quinzena de julho. Previsto para às 9h30, o mercado espera uma desaceleração da inflação, passando de uma alta mensal de 0,83% para 0,64%. Mas, no acumulado de 12 meses, economistas esperam uma aceleração da inflação de 8,13% para 8,50%. 

Números acima das expectativas devem forçar o Banco Central a elevar ainda mais a taxa de juros na próxima reunião do Copom, no início de agosto. No mercado, investidores ainda estão divididos sobre se o aumento será de 1 ou de 0,75 ponto percentual. 

Hypera

A Hypera (HYPE3) será a terceira empresa brasileira listada na B3 a apresentar seu balanço do segundo trimestre, previsto para após o encerramento do pregão. Segundo o consenso da Bloomberg, a empresa deve apresentar receita líquida de 1,53 bilhão de reais, com ebitda de 518,3 milhões de reais. 

Até agora, somente Neoenergia (NEOE3) e Romi (ROMI3) apresentaram seus resultados do período. Nesta semana, os papéis de ambas as empresas tiveram fortes altas após a divulgação de seus respectivos balanços.

Ainda morna, a temporada de balanços irá pegar fogo na próxima semana, com algumas das principais empresas da bolsa reportando resultados, como Vale (VALE3) e Ambev (ABEV3).

Minério de ferro

Após ter caído mais de 5% na quinta-feira, 22, o minério de ferro voltou a fechar em baixa de mais de 2% nesta madrugada, em Dalian. A desvalorização do metal ocorre em meio a esforços do governo chinês para esfriar o ritmo de produção de aço em siderúrgicas do país. Com queda acumulada de 10% na semana, o minério de ferro teve sua pior performance semanal desde fevereiro de 2020, segundo a Reuters. A commodity já é negociada com baixa de 17% em relação ao pico de maio.

IPO da Unifique

A empresa de fibra óptica Unifique deve precificar sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) nesta sexta. Com faixa indicativa entre 8,41 e 10,49 reais, a empresa deve levantar 900 milhões de reais, caso a oferta saia no centro da faixa. A Unifique espera utilizar o dinheiro arrecadado para acelerar seu crescimento orgânico e para aquisições. 

Em meio à janela de IPOs aquecida, as ações da Multilaser (MLAS3) estrearam em forte alta de 16,7% no último pregão. A empresa levantou cerca de 2,2 bilhões de reais em sua oferta. 

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame