Exame Invest
Mercados

Ibovespa cai 1% puxado por recuo da Vale; Bradespar dispara quase 6%

PUBLICADO EM: 15.9.21 | 9H18
ATUALIZAÇÃO: 15.9.21 | 14H49
Desaceleração no gigante asiático afeta preço do minério de ferro e ações da mineradora
Bolsa: Ibovespa avança e caminha para oitava alta em nove pregões

Painel de cotações da B3 | Foto: Germano Lüders/Exame

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Ibovespa recua nesta quarta-feira, 15, em dia de cenário misto no exterior após divulgação de dados negativos da China. Às 15h, o principal índice da B3 recua 1,08%, aos 114.921 pontos. Já o dólar cai 0,03%, a 5,256 reais. Vale lembrar que hoje é dia de vencimento de opções sobre o índice, o que pode aumentar a volatilidade.

Lá fora, os índices americanos sobem, enquanto as bolsas da Europa e Ásia ficam no campo negativo. Como pano de fundo das negociações estão dados que revelaram menor atividade econômica na China.

Divulgados na última noite, os indicadores chineses referentes ao mês de agosto decepcionaram em praticamente todas as frentes. O principal deles, o crescimento da produção industrial caiu de 6,4% para 5,3% no acumulado de 12 meses. A expectativa era de uma redução para 5,8%. Já a alta anual das vendas do varejo despencou de 8,5% para 2,5% - enquanto o consenso era de uma queda para 7%.

Com os números mais fracos da economia chinesa, as bolsas da Ásia aumentaram as preocupações sobre o nível da demanda por minério de ferro. A commodity recuou pela 5ª sessão consecutiva, despencando a para o nível mais baixo em nove meses. O minério de ferro recuou 4,1% no porto de Qingdao, para 116,65 dólares a tonelada.

O recuo tem impacto direto nas ações da Vale (VALE3), que recuam 1,33%. No mês, os papéis da mineradora acumulam perdas superiores a 5%. 

Ainda assim, investidores parecem continuar interessados na empresa. Prova disso é a disparada de quase 6% nos papéis da Bradespar (BRAP4) no pregão de hoje. Com grande participação na Vale, a holding do Bradesco anunciou de que pretende entregar 5,26 bilhões de reais em ações da mineradora a seus acionistas. A Bradespar convocou assembleia para reduzir seu capital de 5,76 bilhões para 500 milhões de reais -- o que seria feito por meio da entrega das ações da Vale.

Investidores também analisam o radar o dado positivo do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado a prévia do Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil. O indicador teve alta de 0,60% em julho na comparação com o mês anterior, surpreendendo o mercado que esperava um ganho de 0,4%.  

“O IBC-Br trouxe um resultado acima das expectativas para o mês, nos fazendo manter nossa expectativa de que o pico de crescimento econômico em 2021 pode ser no terceiro trimestre deste ano”, comentam, em nota, os analistas do do BTG Pactual digital.

Os dados trouxeram certo alívio para as perspectivas negativas em relação à economia brasileira, mas não foram suficientes para frear a queda do Ibovespa. A piora macroeconômica, a propósito, é uma das razões apontadas pelo Itaú BBA para ter cortado o preço-alvo do Ibovespa de 152 mil para 120 mil em 2021.

Destaques de ações

Uma das ações que decola hoje na bolsa é a da Gol (GOLL4). Os papéis sobem 2,6% após o anúncio de que a empresa receberá um aporte de 200 milhões de dólares (1,05 bilhão de reais) da American Airlines. O investimento faz parte do acordo de codeshare exclusivo anunciado nesta manhã.

Outro destaque positivo é o setor de petróleo: PetroRio (PRIO3) sobe 3,37% enquanto a Petrobras (PETR3/PETR4) avança 1,24% e 1,2%. As ações reagem aos ganhos de mais de 3% do petróleo no mercado internacional. A commodity se recupera após a passagem do furacão Ida, que afetou a produção nos EUA e derrubou as cotações. 

No campo negativo, as ações das Americanas (AMER3) lideram as perdas, caindo 4,6%. Mais cedo, os papéis da Méliuz (CASH3) chegaram a cair quase 6%, passando por uma correção após quatro altas seguidas, período em que acumulou valorização superior a 48%. Além disso, o Itaú BBA excluiu os papéis de sua "Buy List", após forte alta das ações desde que entraram na carteira.

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame