Exame Invest
Mercados

Ibovespa fecha em leve alta e se mantém próximo de níveis recordes

PUBLICADO EM: 27.5.21 | 17H32
ATUALIZAÇÃO: 27.5.21 | 17H44
Mercado internacional reage positivamente aos dados da economia americana; no Brasil, setor de educação é destaque de alta

Resumo do investidor

- Ibovespa avançou 0,30% para 124.366 pontos - Dólar comercial encerrou a sessão em queda de 1,09%, a 5,255 reais - EUA: Dow Jones avançou 0,41%, S&P 500, fechou em alta de 0,12% e Nasdaq teve leve variação negativa de 0,01%

Foto: Cris Faga/NurPhoto/Getty Images (NurPhoto via Getty Images)

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Em um dia morno no mercado local, o Ibovespa encerrou o pregão em leve alta nesta quinta-feira, 27. O principal índice da B3 avançou 0,30%, aos 124.366 pontos, após passar o dia entre altos e baixos. Vale lembrar que esta é apenas a terceira vez em que o Ibovespa consegue encerrar o pregão acima dos 124.000 pontos. O atual recorde de fechamento é de 125.076,63 pontos, batido no início de janeiro.

Invista com o maior banco de investimentos da América Latina. Abra sua conta no BTG Pactual digital

“Como a bolsa está próxima da máxima histórica, há uma briga forte no índice. Ainda assim, o mercado está sustentando esses patamares [em torno dos 124.000 pontos]. Os investidores estão otimistas, colocando na conta os novos modelos macroeconômicos que preveem maior alta do PIB para este ano", diz Thomas Giuberti, sócio da Golden Investimentos.  

Nesta quinta-feira, as ações de empresas educacionais dominaram as maiores altas. Os papéis da Yduqs (YDUQ3) subiram 6,67%, enquanto a concorrente Cogna (COGN3) avançou 6,19%. Investidores estão apostando na recuperação de um dos setores mais afetados pela pandemia e, no caso da Cogna, existe a chance de uma nova aquisição para o segundo semestre.

Embraer (EMBR3) também foi destaque de alta, subindo mais de 6,05%. Já no extremo oposto, os papéis da Azul (AZUL4) caíram 4,58%, com investidores realizando lucros, após dois pregões de fortes altas em meio a rumores de que a empresa pode comprar as operações da Latam no Brasil.

Com a maior participação no índice, as ações da Vale (VALE3) subiam 0,72%, dando suporte para a alta do índice. O movimento foi em linha com a leve recuperação do minério de ferro na China. A commodity tem enfrentado volatilidade nos últimos dias com o governo chinês tentando controlar a escalada de preço do minério.

"Por mais que a China tente controlar o preço do minério de ferro, ele vai continuar pressionado. No preço que está, ainda está entrando muito dinheiro [na Vale]", comenta Giuberti.

As ações das siderúrgicas CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM5), arrefeceram os ganhos mas ainda fecharam em alta, subindo 0,49% e 0,34%, respectivamente. Já a Gerdau (GGBR4) avançou 2,12%.

Maiores altas

Maiores quedas

YduqsYDUQ3

6,67%

AzulAZUL4

-4,58%

HeringHGTX3

6,63%

LocalizaRENT3

-2,62%

CognaCOGN3

6,19%

FleuryFLRY3

-2,32%

O cenário externo também ajudou a sustentar o Ibovespa em terreno positivo, com os principais índices americanos subindo, após a divulgação de uma série de dados econômicos dos Estados Unidos. 

O principal índice americano, o S&P 500, encerrou o dia em alta de 0,12%. Ligado à economia tradicional Dow Jones foi o mais beneficiado pela divulgação dos dados, e avançou 0,41%. Já o índice de tecnologia Nasdaq teve leve variação negativa de 0,01%.

Divulgada nesta manhã, a segunda prévia do PIB americano do primeiro trimestre confirmou a alta de 6,4% apresentada em abril. A expectativa do mercado era de uma leve correção para 6,5%. Por outro lado, os pedidos de bens duráveis e de seguro-desemprego sinalizaram forte recuperação da economia americana no segundo trimestre.

Também divulgados nesta manhã, os pedidos semanais de seguro-desemprego caíram de 444.000 para 406.000, registrando uma nova mínima desde o início da pandemia. As estimativas eram de queda para 425.000. Já os pedidos de bens duráveis de abril tiveram alta mensal de 1% ante o crescimento previsto de 0,8%.

Embora os dados possam sugerir maior pressão inflacionária que tem sido a preocupação principal do mercado —, as bolsas reagiram bem aos números apresentados. A preocupação, agora, passa a ser com os preços das despesas de consumo pessoal, que serão divulgados nesta sexta-feira, 27.

O bom humor dos investidores se refletiu no mercado de câmbio, com o dólar caindo 1,09% e sendo negociado pouco abaixo de 5,30 reais. Foi a terceira queda da moeda americana nesta semana.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame