Exame Invest
Mercados

Ibovespa sobe com investidores indo às compras após forte queda na véspera

PUBLICADO EM: 29.9.21 | 9H11
ATUALIZAÇÃO: 29.9.21 | 16H30
Índice segue ritmo de recuperação das bolsas internacionais, mas preocupações sobre inflação americana seguem no radar

Resumo do investidor

Às 16h30: - Ibovespa 1,03%, aos 111.256 pontos pontos; - Dólar comercial sobe 0,04%, a 5,426 reais; - EUA: Dow Jones sobe 0,65%, S&P 500 tem alta de 0,56% e Nasdaq recua 0,04%.

B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

O Ibovespa sobe nesta quarta-feira, 29, seguindo o tom das bolsas globais se recuperam das fortes quedas da véspera. Apesar de ainda não estarem solucionadas, as preocupações com os riscos de inflação nos EUA e a crise energética na China ficam em segundo plano e as bolsas sobem. 

Às 16h30, o Ibovespa avança 1,03%, aos 111.256 pontos, com investidores indo às compras após forte liquidação no mercado acionário ontem. Já o dólar comercial avança 0,33%, a 5,44 reais, acompanhando o desempenho da moeda americana no mundo e demonstrando que os temores continuam no radar. 

O principal ponto de preocupação é o avanço da inflação nos Estados Unidos, que aumentou as perspectivas de aumento nas taxas de juros e fez disparar os rendimentos dos títulos americanos, provocando duras quedas nas bolsas ontem – o Ibovespa caiu 3%

Após as quedas da véspera, investidores retomam hoje suas posições em ativos de risco, mas as preocupações continuam. “Não há mal que dure para sempre, então o mercado passa por um movimento clássico de correção. O que preocupa é que 90% dessa alta é em cima de preço, porque os ativos estão descontados”, afirmou Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de renda variável e derivativos do BTG Pactual digital, na Abertura de Mercado desta quarta-feira.

Em Wall Street, os três principais índices operam em alta durante toda a manhã, mas o Nasdaq virou para queda no início da tarde. O índice, que tem maior peso do setor de tecnologia, recua 0,18%, após um tombo de quase 3% na véspera. A sensibilidade do índice é maior porque os papéis de tech são os mais afetados em casos de elevação na taxa de juros

No Brasil, os dados de emprego surpreenderam positivamente, ajudando a manter o Ibovespa em campo positivo. O País registrou abertura de 372.265 vagas formais de trabalho em agosto, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) – a expectativa da Reuters era de criação de 272.500 postos de trabalho. 

As reformas são outro ponto de atenção. Em evento realizado ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a aprovação da PEC dos precatórios e da reforma do Imposto de Renda poderiam tranquilizar o mercado. Guedes defende que a aprovação dos dois projetos abriria espaço no orçamento para o novo projeto social defendido pelo governo, o Auxílio Brasil, respeitando o teto de gastos – principal âncora fiscal do País. 

“Precisamos desses avanços no cenário local para destravar valor. Enquanto isso, ficamos à mercê do mercado internacional com um cenário frágil. A questão fiscal deixa o Brasil mais suscetível aos ventos internacionais”, defendeu Zanlorenzi.

Destaques da bolsa

A ação do Ibovespa que mais sobe nesta quarta-feira é a da Braskem (BRKM5) , que avança 9%. A alta é seguida pela JBS (JBSS3), que sobe 5,43%.  Já os frigoríficos Minerva (BEEF3) e Marfrig (MRFG3), avançam em torno de 3%. Na última sexta-feira, o Cade autorizou a aquisição de ações da BRF pela Marfrig, renovando o apetite dos investidores pelo setor. No radar dos investidores também está a coletiva do presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Ricardo Santin, que disse que o governo brasileiro está negociando exportação de frango para o Reino Unido. Líder do mercado global de frangos, a BRF (BRFS3) sobe 2,79%. 

Ainda entre as maiores valorizações também estão as ações da Méliuz (CASH3), com alta de 4,3%. Os papéis passam por um movimento de correção após a queda de mais de 8% ontem, que deixou a Méliuz na lanterna do Ibovespa. 

Entre as ações com maior peso no índice, os papéis da Vale (VALE3) voltam a subir após forte alta de 5% ontem. No pregão desta quarta-feira, as ações da mineradora sobem quase 2% em linha com a valorização de 2,1% do minério de ferro na China. As siderúrgicas seguem o movimento, com Usiminas (USIM5) avançando 5,75% e figurando entre as maiores altas do dia.

Fora do Ibovespa, as ações da M. Dias Branco (MDIA3) sobem 4,53%, após a empresa anunciar a compra da Latinex, dona da marca Fit Food.

Na ponta oposta, os papéis do Inter (BIDI11/BIDI4) voltaram a aparecer entre as maiores quedas do dia. Após perdas de mais de 11% na véspera, hoje os papéis recuam cerca de 4%. Investidores continuam penalizando ações ligadas à tecnologia e ao financiamento intensivo, mesmo com o arrefecimento do movimento no exterior. Vale lembrar ainda que o Inter avançou bastante no acumulado anual, deixando espaço para as atuais correções. Nos últimos 12 meses, as units BIDI11 acumulam alta de 187%.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame