Ibovespa sobe 1,35% com aprovação da PEC Emergencial no Senado; Wall Street cai até 2% | Exame Invest
Invest

Ibovespa sobe 1,35% com aprovação da PEC Emergencial no Senado; Wall Street cai até 2%

PUBLICADO EM: 4.3.21 | 10H09
ATUALIZAÇÃO: 4.3.21 | 18H46
Otimismo no Brasil é contido pelas fortes quedas no exterior após discurso de Powell; Petrobras avança com disparada do petróleo

Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Quadro geral do pregão 

  • Ibovespa avançou 1,35%, aos 112.690 pontos após aprovação da PEC Emergencial no Senado
  • EUA: após discurso de Powell,  Dow Jones caiu 1,11%, S&P500 recuou 1,34% e Nasdaq teve queda de 2,11%
  • Dólar recua 0,11% contra o real e encerra o dia negociado a 5,658 reais 

    O Ibovespa subiu mais de 1% nesta quinta-feira, 4, após a PEC Emergencial ser aprovada em segundo turno no Senado, prevendo gatilhos para contenção dos gastos públicos. Na máxima do dia, o índice chegou a subir 2,92% e atingir os 114.433 pontos, mas reduziu ganhos após discurso mais cauteloso do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) derrubar as bolsas americanas.

    Quer as ações com maior potencial de pagamentos de dividendos? Confira aqui como acessar a carteira de dividendos da EXAME Invest Pro

    Aguardada desde 2019, a PEC também previu pagamentos de 44 bilhões de reais para auxílios sociais sem que o valor seja incluído no teto de gastos. A medida, porém, mas manteve o Bolsa Família dentro teto -- fator que vinha causando preocupação no mercado nos últimos dias. Com a aprovação no Senado, a proposta foi enviada à Câmara.

    A reação ao fato de o Bolsa Família ter se mantido dentro do teto de gastos tem sido positiva desde o fim da tarde de ontem, quando o presidente da Câmara, Arthur Lira, havia adiantado que essa seria a decisão do Congresso.

    O otimismo no mercado doméstico, no entanto, poderia ter sido maior se não fossem as fortes quedas das bolsas americanas após o pronunciamento do presidente do Fed, Jerome Powell. Em evento organizado pelo The Wall Street Journal, Powell voltou a comentar as impressões do Fed sobre a recente alta dos rendimentos dos títulos americanos e sobre a perspectiva de inflação crescente nos Estados Unidos.

    O presidente admitiu que a reabertura econômica pode "criar alguma pressão de alta sobre os preços", mas disse que o Fed usará ferramentas para conter a inflação apenas “se as condições mudarem materialmente”. Powell reconheceu que o rápido aumento nos rendimentos do tesouro americano na última semana chamou sua atenção, mas disse que o Fed precisaria ver um aumento mais amplo antes de considerar qualquer mudança de posicionamento.

    A fala não foi suficiente para acalmar o mercado e os rendimentos do Tesouro voltaram a subir para 1,53% após o discurso. Na última semana, a taxa de referência para o título de 10 anos disparou para 1,6%, derrubando as bolsas dos EUA.

    Hoje, o índice de tecnologia Nasdaq voltou a apresentar forte queda, caindo mais de 2%. Bruno Lima, analista-chefe de renda variável da Exame Invest Pro, explica que o impacto é maior no setor devido às metodologias de avaliação.

    “O rendimento dos títulos é a taxa de desconto utilizada para realizar a projeção do fluxo de caixa da maioria das empresas no exterior. Como o valor presente dessas do setor de tecnologia considera a geração de caixa no muito longo prazo, o efeito no preço é maior”, afirma.

    A fala de Powell também impactou no câmbio, ofuscando o alívio com os temores fiscais. O dólar que chegou a operar abaixo dos 5,55 reais na mínima da sessão, encerrou o dia negociado a 5,65 reais.


    Recomendado para você

    Também nos Estados Unidos, foram divulgados os dados de pedidos semanais de seguro desemprego, que ficou em 745.000 - quase em linha com esperado. Na véspera, os dados de variação de empregos privados do Instituto ADP frustraram as expectativas, provocando quedas nas bolsas americanas. Amanhã será divulgado o relatório oficial de empregos não-agrícolas do país, considerado o principal indicador no mercado.

    Destaques da bolsa

    Na bolsa, as ações dos grandes bancos foram principais responsáveis pela alta do Ibovespa, com o Itaú (ITUB4)Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3) encerrando o dia em altas de 3,14%, 3,87% e 3,62%, respectivamente.

    Os papéis da Petrobras (PETR3/PETR4) também ajudaram a dar o tom positivo da bolsa, com altas de 4,29% e 4,86%, respectivamente, refletindo a escalada do petróleo. Isso porque, ao contrário do que esperava o mercado, a Opep+ decidiu manter os cortes de produção do petróleo até abril, fazendo os preços da commodity dispararem.

    O petróleo Brent fechou em alta de 2,67 dólares, ou 4,2%, a 66,74 dólares por barril, depois de alcançar a marca de 67,75 dólares, mais alto nível desde janeiro de 2020. Já os contratos futuros do petróleo dos Estados Unidos (WTI) avançaram 2,25 dólares, ou 4,2%, para 63,83 dólares o barril, também tendo registrado uma máxima desde janeiro de 2020, a 64,86 dólares.

    Maiores altas

    1. Cosan (CSAN3) +8,68%
    2. Hering (HGTX3) +8,62%
    3. Rumo (RAIL3) + 7,36%
    4. Petrobras Distribuidora (BRDT3) +6,79%
    5. Ultrapar (UGPA3) +6,20%

    Maiores baixas

    1. Gol (GOLL4) -5,02%
    2. Weg (WEGE3) -4,90%
    3. Hapvida (HAPV3) -3,72%
    4. Usiminas (USIM5) -2,94%
    5. BTG Pactual (BPAC11) -3,41%

    As ações da aérea Gol lideraram as quedas do índice, enquanto os papéis da concorrente Azul (AZUL4) encerraram o dia em leve queda de 0,16%. Ambas as ações repercutiram o endurecimento das medidas de isolamento, no entanto, os papéis da Azul também refletiam os bons resultados do quarto trimestre apresentados esta manhã.

    No período, a empresa lucro líquido de 543 milhões de reais ante expectativa de prejuízo de 428 milhões de reais.


    Leia também

    Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

    Repórteres da Exame


    Compartilhe nas redes sociais