Exame Invest
Mercados

Ibovespa sobe com vacinação e volta aos 130 mil pontos; dólar recua 1%

PUBLICADO EM: 14.6.21 | 17H24
Ações ligadas à reabertura econômica avançam após estado de São Paulo adiantar datas de vacinação

Resumo do investidor

- Ibovespa fecha em alta de 0,59%, aos 130.207 pontos - Dólar comercial cai 1,01% e encerra sessão negociado a 5,071 reais - EUA: Dow Jones cai 0,25%, S&P 500 tem alta de 0,18% e Nasdaq sobe 0,74%

B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Painel da B3: Ibovespa volta aos 130 mil pontos |Foto: Germano Lüders/Exame

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

O Ibovespa começou a semana em alta e subiu nesta segunda-feira, 14, puxado pelas ações ligadas à reabertura econômica e de olho nas decisões de política monetária nos EUA e no Brasil. 

Por aqui, o mercado reagiu à notícia de que o estado de São Paulo adiantou o calendário de imunização em um mês, garantindo a vacinação de toda a população adulta até o dia 15 de setembro. O principal índice da B3 subiu 0,59% e encerrou o pregão aos 130.207 pontos.

O otimismo influenciou o desempenho de ações ligadas à retomada da economia, que dominaram as maiores altas do dia. As ações da companhia de educação Cogna (COGN3) lideraram os ganhos, avançando 9,45%. 

Entenda como escolher as melhores ações listadas na bolsa e aumentar suas chances de lucro com evento gratuito

A varejista B2W (BTOW3) e a administradora de shoppings BR Malls (BRML3) também estiveram entre os destaques positivos do dia, subindo 5,1% e 4,26%, respectivamente. Fora do índice, as ações da varejista de moda Marisa (AMAR3) disparam 7,97%.

As perspectivas de recuperação também favoreceram o real. O dólar recuou 1,01% e fechou a sessão negociado a 5,071 reais, apagando os ganhos da última sexta-feira, quando a moeda americana avançou a 5,123 reais.

O real também se beneficiou das perspectivas de alta na taxa de juros brasileira, que aumentam a atratividade do mercado local e ajudam na apreciação do câmbio. Nesta quarta-feira, 16, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central divulga a nova política monetária da instituição, e a expectativa do mercado é de uma alta de 0,75 ponto percentual -- o que levaria a Selic a 4,25% ao ano. 

O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) também divulga sua decisão de política monetária no mesmo dia. No mercado, há maior confiança de que o Fed irá manter as medidas de estímulos, com as taxas de juros próximas a zero, mesmo com a alta da inflação americana. 

Ainda assim, os investidores operaram com cautela nos Estados Unidos nesta segunda-feira. O índice Dow Jones recuou 0,25%, enquanto o S&P 500 subiu 0,18%. Já o índice de tecnologia Nasdaq encerrou em alta de 0,74%.

No cenário interno, o Banco Central divulgou seu índice de atividade econômica, o IBC-Br, revelando um crescimento de 0,44% em abril. Embora bem abaixo das previsões colhidas pela Bloomberg, de alta de 1,35%, o resultado teve pouco efeito sobre o humor dos investidores, que seguiram otimistas com a economia local.

Para esta semana, investidores também ficam na expectativa pela votação da Medida Provisória de privatização da Eletrobras (ELET3/ELET6). O senador Marcos Rogério (DEM/RO), relator da matéria, pretende apresentar o parecer nesta terça,15, e a votação pode ser realizada já na quarta, 16. As ações da elétrica fecharam o pregão em leve queda de 0,18% e 0,07%, respectivamente.

Destaques da bolsa

Na bolsa, o tom positivo impulsionou a maior parte das ações do Ibovespa. Entre os componentes com maior presença no índice, as ações da Petrobras (PETR3/PETR4) tiveram queda de 0,31% nas ações ordinárias (PETR3) e alta de 0,63% nas preferenciais (PETR4), respectivamente, após a companhia anunciar que pretende se desfazer de sua participação na BR Distribuidora (BRDT3) por meio de uma oferta subsequente de ações (follow-on, em inglês). 

A possível operação pode levantar cerca de 10 bilhões de reais e faz parte das estratégias de desinvestimento da estatal, que deve focar cada vez mais na extração de petróleo do pré-sal. "O impacto é positivo para a Petrobras, porque levanta capital e contribui com a redução da dívida", comentou Bruno Lima, analista do BTG Pactual Digital na Abertura de Mercado.

Apesar de o possível follow-on aumentar a venda de papéis da BR Distribuidora, as ações da empresa também encerraram em alta, subindo 1,49%. "No médio prazo, vemos a saída total da Petrobras como positiva para a companhia, em função da redução da influencia politica na BR Distribuidora. Isso também deve acelerar a melhora operacional, inclusive com renovação do conselho de administração", avalia, em nota, Luis Sales, analista da Guide.

Ainda no setor de commodities, ações atreladas ao minério de ferro perderam espaço na carteira dos investidores com a migração para os setores de recuperação econômica. A Vale (VALE3) caiu 0,54%, e as siderúrgicas ocuparam as maiores quedas do índice.

A lanterna do índice foi ocupada pela Gerdau (GGBR4), que recuou 2,73%, seguida pela Metalúrgica Gerdau (GOAU4), que recuou 2,3%. Na sequência, estiveram as ações da Braskem (BRKM5), que tiveram baixa de 1,66% em um movimento de realização de lucros após terem avançado mais de 7% no mês, em meio a movimentações da Petrobras para a venda de sua participação na companhia.

Maiores altas

Maiores quedas

CognaCOGN3

9,45%

GerdauGGBR4

-2,73%

LocawebLWSA3

6,24%

Metalúrgica GerdauGOAU4

-2,3%

B2W BTOW3

5,10%

BraskemBRKM5

-1,66%

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame