Exame Invest
Mercados

Ibovespa supera marca dos 110 mil pontos pela 1ª vez desde fevereiro

PUBLICADO EM: 25.11.20 | 9H09
ATUALIZAÇÃO: 25.11.20 | 18H16
Índice havia perdido marca na quarta-feira de cinzas, data que marcou o início dos impactos da pandemia no mercado financeiro brasileiro
Bolsa fundos sacam 31 bilhões em ações

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Ibovespa bateu os 110.000 pontos nesta quinta-feira, 25, com a continuidade do fluxo de capital estrangeiro para a B3 em meio ao apetite por ativos emergentes. A marca havia sido perdida na quarta-feira de cinzas, dia que marcou o início dos impactos da pandemia no mercado financeiro brasileiro. A pontuação simbólica foi atingida minutos após a divulgação dos dados econômicos dos Estados Unidos, quando bateu 0,20% de alta. O índice fechou em terreno positivo, aos 110.132 pontos, alta de 0,32%.

Como o Ibovespa batendo 110 mil pontos afeta seu bolso? Descubra e saiba gerir melhor seus investimentos com o BTG Pactual Digital.

Em NY, os índices seguiram direções mistas após as grandes altas da véspera. Dois dos três principais índices americanos encerraram o pregão em baixa: S&P 500 com queda de 0,16% e Dow Jones com recuo de 0,58%, após atingir o patamar recorde de 30.000 pontos ontem embalado pelo otimismo com a transição no governo dos Estados Unidos e a promessa de uma vacina contra a Covid-19. O índice Nasdaq subiu 0,47%.

Na bolsa brasileira, as ações dos grandes bancos e da Ambev (ABEV3) recuam após apresentarem fortes altas nas últimas sessões e pressionam negativamente o Ibovespa. Por outro lado, os papéis da Vale (VALE3) têm sua oitava alta em nove pregões e renovam mais uma vez seu recorde histórico na Bolsa. Em variação, as três maiores altas ficavam com CVC Brasil (CVCB3), PetroRio (PRIO3) e Usiminas (USIM5), com ganhos entre 9,79% e 5,96%. Acompanhe os principais destaques de ações aqui.

Exterior

Divulgados nesta manhã, os dados americanos saíram mistos. Os pedidos de bens duráveis tiveram alta mensal de 1,5% e ficaram acima das expectativas de 0,9% de expansão. No entanto, os pedidos de seguro desemprego e o PIB do terceiro trimestre decepcionaram. Com as novas medidas de isolamento no país, os pedidos de seguro desemprego voltaram a subir pela segunda semana consecutiva, enquanto o mercado esperava por queda. Já o PIB americano sofreu sua primeira revisão, passando de 33,2% de crescimento para 33,1%.

Para os analistas da Exame Research, ainda que os números sugiram um momento de fragilidade da economia americana, o calendário mais positivo para vacinas sustenta a expectativa de retomada no médio prazo.

Ao final da tarde, o Federal Reserve (Fed), banco central americano, divulgou a ata de sua última reunião. Na avaliação dos dirigentes, a atividade econômica nos Estados Unidos continuou se recuperando, mas ainda segue abaixo dos níveis de antes da pandemia. Os participantes concordaram que as compras de ativos estão proporcionando acomodação para a economia americana depois que as condições do mercado se estabilizaram. Alguns disseram esperar que o Fed eventualmente prorrogue o prazo de vencimento dos títulos adquiridos, de acordo com as deliberações.

Na Europa, as ações fecharam em queda, com os operadores realizando lucros após ganhos acentuados mais cedo neste mês e repercutindo o aumento de casos de coronavírus no continente. O índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,08%.

Câmbio

O mercado de câmbio ainda guarda certas doses de otimismo guiadas por notícias positivas em relação a vacinas e à transição de poder nos EUA. No mundo, o dólar apresentou leve queda contra seus pares e recua contra algumas moedas emergentes, como o peso chileno e o real. Por aqui, o dólar recuou 1,03%, a 5,320 reais, registrando o menor patamar do mês de novembro.

Cenário interno

A despeito do ambiente externo relativamente positivo, o mercado financeiro doméstico segue desconfiado diante da falta de empenho do governo na direção de reformas estruturantes. Caso a situação continue, existe um "grande risco" do país entrar em estado de dominância fiscal, disse Gilberto Kfouri, responsável por renda fixa e multimercados da BNP Paribas Asset Management.

"A gente não vê empenho em aprovar reformas estruturantes. Não adianta esperar que as coisas melhorem por si só. Isso não acontece", afirmou Kfouri. A dominância fiscal é uma situação de excesso de dívida e de deterioração na perspectiva para sua trajetória. Em caso extremo, a combinação de ambos acaba retirando da política monetária a capacidade de ação de controlar a inflação - ou seja, o fiscal dominará o monetário.

A importância da disciplina fiscal também foi reforçada hoje pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. "Ponto superimportante, talvez ponto chave, é conquistar credibilidade com continuação das reformas e com plano que indique clara percepção para investidores que país está preocupado com trajetória da dívida", disse ele, em evento organizado pelo Sicoob Engecred.

(Com Reuters)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame