Exame Invest
BTG Insights

Imposto de renda: como funciona a tributação de fundos imobiliários

PUBLICADO EM: 13.4.21 | 19H25
ATUALIZAÇÃO: 14.4.21 | 12H54
Distribuição de dividendos é isenta. Mas a venda de cotas sofre tributação. Analista do BTG explica as diferenças e como recolher o imposto

Resumo do investidor

Por que isso importa: 1. Distribuição de rendimentos para pessoa física não é tributada 2. Para venda de cotas, alíquota é de 20% sobre o ganho de capital 3. Guia de Fundos Imobiliários, feito em parceria com o BTG Pactual digital, traz mais dicas sobre FIIs

Imóvel e dinheiro

(Getty Images)


Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Em tempos de declaração de imposto de renda, surgem muitas dúvidas de como funcionam as alíquotas de alguns investimentos. E alguns dos questionamentos mais comuns envolvem a tributação dos Fundos Imobiliários (FIIs).

Isso porque estamos falando de um veículo isento de IR. A distribuição de rendimentos para pessoa física não é tributada. Mas a venda das cotas com lucro é, sim, taxada. E isso pode surpreender algumas pessoas. Para ajudar a entender melhor como funciona a tributação de FIIs, veja a explicação de Daniel Marinelli, analista de fundos imobiliários do BTG Pactual digital, a seguir.

Conheça mais recomendações de FIIs dos especialistas do BTG Pactual digital. Baixe o nosso e-book gratuitamente e aprenda a diversificar sua carteira.

Pessoa física ou jurídica: diferença na tributação

A distribuição de dividendos é um dos grandes destaques desse tipo de ativo. Por lei, os FIIs precisam distribuir 95% daquilo que geram no semestre. Mas a parte majoritária faz essa distribuição de forma mensal. E são os dividendos recorrentes que garantem a percepção de que o investidor recebe um aluguel, como se fosse proprietário de imóvel físico.

Mas a tributação é diferente entre quem investe como pessoa jurídica ou física. Quem compra cotas em fundos imobiliários por meio de um CNPJ é tributado com alíquota de 20% sobre os rendimentos obtidos com dividendos. Já quem utiliza o CPF para investir tem isenção de imposto de renda ao receber proventos.

Mas, para ter o benefício da isenção, o fundo escolhido precisa atender a alguns critérios. As cotas devem ser negociadas exclusivamente na bolsa ou no mercado balcão. O fundo precisa ter, no mínimo, 50 cotistas e cada um deles não pode ter mais de 10% das cotas totais.

Tributação sobre venda de cotas de FIIs

Em caso de venda das cotas, a regra é outra, o que costuma confundir os investidores menos experientes. Tanto pessoa física quanto jurídica precisam pagar uma alíquota de 20% sobre o ganho de capital.

Por exemplo, se o investidor pessoa física comprar uma cota a 100 reais e vender por 110, ele vai ter de pagar 20% em cima dos 10 reais de lucro obtido. Caso haja prejuízo na negociação, é possível abater sobre os lucros futuros. Mas, para isso, o prejuízo deve estar declarado.

O recolhimento do imposto é feito por meio do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). O pagamento deve ser feito até o último dia do mês seguinte ao da liquidação da venda. Caso contrário, é preciso pagar multa e juros, o que afeta o ganho obtido com o ativo.

Guia de Fundos Imobiliários

Pensando nos interessados nessa modalidade de investimento e nas dúvidas mais comuns, criamos o e-book Guia de Fundos Imobiliários em parceria com o BTG Pactual digital e a consultoria de Daniel Marinelli. Ao longo de seis capítulos, esclarecemos o que você precisa saber sobre essa classe de ativos, como diversificar a carteira de maneira inteligente e ainda listamos os riscos e mais vantagens da modalidade.

Baixe gratuitamente o e-book e aprenda como construir uma estratégia inteligente de diversificação.


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame