Exame Invest
Onde Investir

Inter ou Pan? Os bancos digitais que valorizaram mais de 100% no ano

PUBLICADO EM: 27.5.21 | 16H37
ATUALIZAÇÃO: 27.5.21 | 16H48
Os dois bancos digitais têm mais de 10 milhões de clientes cada um e compartilham o modelo de negócios de oferta ampla de serviços e produtos em plataforma digital
Banco Pan

Serviços digitais pelo celular fazem parte da estratégia central dos bancos digitais Pan e Inter | Foto: Divulgação/Banco Pan

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A aposta do Banco Pan (BPAN4) e Inter (BIDI11) em superapp tem agradado ao mercado. Somente neste ano, as ações do Inter acumulam alta acima de 100%. Em 12 meses, os papéis subiram mais de 500%. O mesmo fenômeno de valorização ocorre com o Banco Pan. Em 12 meses, a alta registrada é de 319%; no acumulado do ano, é de 145%.

Ambos os bancos têm mais de 10 milhões de clientes e a estratégia adotada por eles é a oferta de serviços e produtos em uma única plataforma digital. Produtos que não são necessariamente financeiros e não são ofertados exclusivamente pelo banco.

“Se você não tem aquele produto deve oferecer um produto de terceiros. O cliente tem de estar plugado na sua plataforma independentemente de querer produtos seus ou não. É isso que estamos buscando”, afirmou Carlos Eduardo Guimarães, o Cadu, presidente do Banco Pan, em painel realizado no CEO Conference Brasil 2021, organizado pelo banco BTG Pactual (BPAC11)

João Vitor Menin, presidente do Inter, também participou do painel e falou da evolução da plataforma do banco nos últimos anos. Segundo o executivo, o crescimento teve como bases o avanço tecnológico e o custo atrativo do serviço.

“Se a gente pensasse sete anos atrás, a ambição de ser um superapp não existia. Hoje, temos capacidade tecnológica e um acesso a serviços de terceiros que fazem aquele middle, que conectam nossos serviços com os clientes finais, e nosso front, muito baratos. A tecnologia permitiu que a gente pensasse em servir de maneira barata para o cliente e de maneira robusta.” 

Menin destacou que o foco do Inter é ser uma empresa B2C (business to consumer) e que não há problema no fato de o cliente não ser correntista. “Ele usa nossas funcionalidades e depois vira correntista se fizer sentido para ele. Isso aumenta muito nosso mercado endereçável." Segundo o executivo, depois que a empresa oferece o serviço para o não correntista, oferecer algo para o não brasileiro é um passo. 

Stone 

Menin também comentou a estratégia de parcerias do Inter. Uma delas foi com a Wiz (WIZS3) na área de seguros, em 2019; nesta semana, foi anunciada uma com a Stone. As duas companhias anunciaram que a Stone vai realizar um investimento de até 2,5 bilhões de reais no banco digital. Com o acordo, a Stone passará a deter uma fatia de até 4,99% do Inter e terá direito a um assento no conselho de administração. 

“Neste cenário dinâmico que vivemos no Brasil, temos de ser rápidos. Primeiro discutimos o serviço e depois veremos se envolverá equity. Tem de ser prático. O fator binário no Inter para fechar parcerias, envolvendo equities ou não, é a cultura e o desenvolvimento tecnológico. Temos de ser parecidos. Com a Stone, a gente tem um fit cultural.”

Ele destacou ainda que a Stone é a líder no mercado de pessoa jurídica no país em meios de pagamento e que o Inter é líder em pessoa física no mercado digital. Segundo ele, a conexão entre as duas empresas, que representam o varejo e o consumidor, é “espetacular” e algo nunca visto no país. 

Planos do Pan 

Em relação aos planos do Pan, Cadu Guimarães destacou que o banco está focado em ampliar a carteira de crédito, principalmente para o público das classes C e D. Inicialmente, a ampliação ocorrerá por meio de parcerias. 

“Nós queremos ser plug and play e teremos vários canais espalhados pelo Brasil. Nós vamos prover o crédito, seja no balcão de uma farmácia, seja na hora de o cliente pagar uma conta de consumo.”  Ele destacou ainda que o Pan tem ampliado o leque de serviços e produtos, como seguro, adquirência, saúde e até educação. 

Na última semana, o Banco Pan firmou uma parceria com o aplicativo Guiabolso para antecipar aos clientes a operação da fase 2 do open banking, que será obrigatória a partir de julho. O objetivo é buscar desde já dados de clientes — com a devida autorização — para fazer ofertas personalizadas, principalmente nas linhas de crédito.

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame