Exame Invest
Mercados

IPO da Multilaser leva Air Fryer à bolsa; entenda o que faz a empresa

PUBLICADO EM: 22.7.21 | 9H09
Oferta inicial movimentou R$ 2,2 bilhões, que serão destinados para o caixa da companhia; ações começam a ser negociadas nesta quinta com o ticker MLAS3
Loja-Multilaser-Shopping-Patio-Paulista

Loja da Multilaser em shopping: empresa com viés tecnológico tem mais de 5.000 produtos diferentes à venda | Foto: Divulgação

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A Multilaser (MLAS3) estreia nesta quinta-feira, 22 de julho, no pregão da B3, coroando seu processo de oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês).

A oferta saiu a 11,10 reais cada ação, perto do piso da faixa estimada pelos coordenadores, de 10,80 a 13,00 reais por papel, de acordo com informações registradas na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na terça-feira, dia 20.

A operação envolveu a venda de 198.160.223 ações, movimentando 2,2 bilhões de reais. Desse total, cerca de 1,9 bilhão de reais correspondem à oferta-base. Como a operação envolve apenas a venda de ações novas, os recursos vão para o caixa da companhia, que pretende usá-los para reforçar o caixa, pagar dívidas e fazer aquisições.

Conhecida do público pela fabricação e a venda de produtos eletrônicos que vão desde teclados para computadores até air fryer e aspirador de pó automático, seu portfólio é formado por mais de 5.000 produtos. A empresa foi fundada em 1987 pelo empresário Israel Ostrowiecki.

Somente em 2020, a quantidade de produtos vendidos aumentou em 1.300, com uma média de 5 lançamentos por dia útil. O objetivo, segundo a companhia, é seguir aumentando a sua variedade de produtos à venda, sempre visando "a melhor relação custo/benefício".

"Alicerçada nessa estratégia desde 2003, a companhia deixou de ser uma empresa de reciclagem de cartuchos com receita de R$ 30 milhões ao ano e passou a ter um dos maiores portfólios de bens de consumo do mercado nacional", afirmou a Multilaser no prospecto para a oferta.

Esses mais de 5.000 produtos estão espalhados por 20 marcas próprias e 9 licenciadas. Entre seus parceiros internacionais estão gigantes da tecnologia, como Microsoft, Sony, Nokia e Toshiba.

Segundo o prospecto da oferta, os acordos com essas empresas envolvem a produção e a comercialização de produtos de parceiras. Em troca, a Multilaser recebe parte das vendas ou ganha por produção.

Há dois meses, a empresa anunciou um aporte de 14 milhões de reais na empresa de software brasileira Luby, fundada há 17 anos. Especializada no desenvolvimento de tecnologias para bancos e empresas de logística, a Luby opera como uma fábrica de software para cerca de 100 empresas clientes, empregando 150 funcionários.

Diversificação de negócios

Em 2020, o lucro líquido da Multilaser foi de 451 milhões de reais, com a receita líquida encerrando o ano em 3,077 bilhões de reais. Entre 2016 e 2020, sua receita teve crescimento composto (CAGR) de 27,5%.

O modelo de negócio da companhia é dividido em quatro linhas: dispositivos móveis, escritório e equipamentos de TI, artigos eletrônicos, domésticos e crianças & esportes. No primeiro trimestre deste ano, a área de dispositivos móveis foi a que providenciou a maior receita: 655,26 milhões de reais, cerca de 46,7% da receita total.

Mas a linha de negócios que mais cresce é a de equipamentos domésticos, que em 2020 aumentou sua receita em 144% em relação a 2019 e em 254% frente a 2018. No primeiro trimestre deste ano, as vendas de equipamentos domésticos já representavam 20% da receita total da companhia.

“Dentre as empresas com viés tecnológico dos IPOs de 2021, a Multilaser é sem dúvidas aquela com o mais vasto portfólio de produtos e áreas de atuação", afirmaram os analistas Eric Huang e Tales Granello, da Eleven.

"Essa vasta gama de produtos é justamente um dos pilares por trás da trajetória de sucesso da empresa, pois lhe confere uma ampla diversificação de segmentos de atuação e, consequentemente, resiliência para se beneficiar de diferentes ciclos de consumo e tendências de mercado”, disseram os analistas em relatório sobre o IPO.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame