IPOs da saúde: produtora de software para hospitais Bionexo pede registro | Exame Invest
MERCADOS

IPOs da saúde: produtora de software para hospitais Bionexo pede registro

PUBLICADO EM: 1.3.21 | 15H01
ATUALIZAÇÃO: 1.3.21 | 15H06
Anúncio mostra como o setor de saúde tem sido um dos mais prolíficos geradores de novas empresas para a bolsa brasileira, na esteira dos efeitos da pandemia da Covid-19

Na briga para ganhar escala num setor altamente fragmentado, essas empresas hospitalares vão competir com os grupos já listados como Hapvida e Notre Dame Intermédica, que negociaram um acordo de fusão

Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

--print">
20" dir="auto" data-qa-component="item-story" data-rc-highlight="story">

(Reuters) - A produtora de softwares para o setor médico Bionexo pediu registro nesta segunda-feira para realizar uma oferta inicial de ações (IPO), sublinhando a revoada de empresas brasileiras de saúde e de tecnologia indo à bolsa em busca de recursos para financiar planos de expansão.

Não fique de fora das oportunidades da bolsa. Encontre os melhores investimentos com a ajuda da Exame Invest Pro

Fundada no ano 2000 e com sede na capital paulista, a Bionexo tem uma plataforma que funciona como uma espécie de marketplace para compra e venda de medicamentos e outros produtos hospitalares. Oferece também solução de gestão de estoques e planejamento de compras.

A companhia afirma no prospecto preliminar da oferta enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que tinha no fim de 2020 cerca de 34 mil clientes, entre hospitais, operadoras de saúde, fornecedores e fabricantes de insumos médico-hospitalares de Brasil, Argentina, Colômbia e México.

No ano passado, a empresa teve receita líquida de 90,2 milhões de reais, aumento de 17,3% em relação a 2019.

Desde o final de 2018, tem entre os acionistas o fundo soberano de Cingapura Temasek. Outro grande sócio da empresa, o fundo Prisma Bazar, venderá uma fatia do negócio no IPO.

A oferta envolve também a venda de ações novas, cujos recursos irão para o caixa da Bionexo, que pretende usá-los para aquisições de outros negócios e para pesquisa e desenvolvimento.

A operação será coordenada por Itaú BBA, Bank of America, BTG Pactual e UBS-BB.

O setor de saúde na bolsa

O anúncio mostra como o setor de saúde tem sido um dos mais prolíficos geradores de novas empresas para a bolsa brasileira, na esteira dos efeitos da pandemia da Covid-19.

Em fevereiro, os grupos hospitalares Mater Dei, Care Caledonia e o capixaba Kora Saúde também pediram registro para venderem ações pela primeira vez. Se concluírem seus planos, vão se juntar à Rede D'or São Luiz, que fez sua estreia no pregão em dezembro passado.

Na briga para ganhar escala num setor altamente fragmentado, essas empresas hospitalares vão competir com os grupos já listados como Hapvida e Notre Dame Intermédica, que negociaram um acordo de fusão.

Isso sem contar instituições que podem ser rivais indiretas, como as de diagnósticos médicos Fleury, Dasa, Alliar e Hermes Pardini.


Recomendado para você


Leia também

Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.


Compartilhe nas redes sociais