Exame Invest
MERCADOS

JHSF e Cury: entenda por que as duas ações estão no radar do mercado

PUBLICADO EM: 14.4.21 | 15H55
ATUALIZAÇÃO: 14.4.21 | 16H00
Analistas reforçam recomendação de compra dos papéis após divulgação das prévias operacionais

Resumo do investidor

- JHSF (JHSF3) e Cury (CURY3) surpreenderam o mercado com suas prévias operacionais para o primeiro trimestre de 2021 - JHSF, focada em empreendimentos de alta renda, deve continuar com bom volume de vendas - Já Cury avança com demanda crescente de projetos habitacionais para a baixa renda

Construção; operários; prédios; marquise foto: Germano Lüders 05/11/09

JHSF e Cury apresentaram fortes números em valor geral de vendas e mercado reiterou recomendação de compra

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

As incorporadoras JHSF (JHSF3) e Cury (CURY3) surpreenderam o mercado com suas prévias operacionais para o primeiro trimestre de 2021, divulgadas na noite de terça-feira, 13, após o fechamento de mercado. 

Quer saber qual o setor mais quente da bolsa no meio deste vaivém? Assine a EXAME Invest Pro

As duas empresas apresentaram fortes números em valor geral de vendas (VGV). As vendas da JHSF chegaram a 346 milhões de reais, um aumento de 247% em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto o VGV da Cury aumentou 275% no mesmo período, chegando a 590 milhões de reais.

Com os resultados, as ações da JHSF chegaram a disparar 4% na máxima do dia, e operam em alta de 1,46% por volta das 16h. Já Cury, que subia 1% pela manhã, virou para queda e é negociada com perdas de 0,8%.

Apesar de terem perdido força ao longo do pregão, a recomendação dos analistas é de compra para as duas ações. Entenda o por quê:

JHSF: a força da alta renda

O resultado da JHSF foi puxado pelo desempenho do Boa Vista Village, o mais novo empreendimento da empresa. Ainda em fase de lançamento, o projeto imobiliário de alta renda conta com mais de 2 milhões de m² e será localizado na cidade de Porto Feliz, no interior de São Paulo.

Seguindo a linha de “negócios únicos para clientes especiais” – que é o slogan da JHSF – o Boa Vista Village conta com centro comercial, spa e piscina para prática de surf. O VGV do projeto no início do ano foi de 229 milhões de reais, com um potencial total do projeto avaliado em 4,5 milhões de reais. 

Os analistas da Exame Invest Pro se mostraram “muito animados” com as perspectivas para a empresa, considerando que o volume de vendas deve continuar alto nos próximos anos. “Esperamos lançamentos importantes para a companhia ainda em 2021, incluindo o do Boa Vista Village”, afirma o relatório assinado pelo analista Luis Fernando Mollo.

O preço alvo da casa de análise para os papéis é de 11,40 reais ao final de 2021 – a ação é negociada atualmente perto dos 7 reais.

O banco BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME) também destacou os bons resultados da JHSF puxados pelo Boa Vista Village e reforçou a recomendação de compra para o papel, com preço alvo de 11 reais.

“As fortes vendas de casas da JHSF têm sido impulsionado pela demanda crescente por segundas residências (que pode continuar), e como  a empresa tem muitos outros projetos para 2021 (Parque Catarina, Catarina Resort e Real Parque), os resultados devem seguir sólidos”, argumentam, em relatório, os analistas do banco.

Investidores ficam no aguardo do balanço trimestral consolidado para avaliar o desempenho de outros segmento de operação da empresa, como shoppings centers, aeroporto executivo, hotelaria e restaurantes.

Cury: a demanda da baixa renda

O resultado da Cury, por outro lado, está ancorado no programa Casa Verde e Amarela (antigo Minha Casa Minha Vida), que constrói moradias populares. As vendas do primeiro trimestre estão atreladas a seis novos empreendimentos da linha, divididos igualmente entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro.  

“Mais importante que o lançamento é o fato de que esses projetos venderam muito bem (67% das unidades vendidas no trimestre)”, destaca o relatório do BTG Pactual. A propósito, a demanda por esse tipo de moradia levou a Cury a registrar um novo recorde nas vendas líquidas trimestrais. 

“Segmentos de baixa renda vão continuar performando muito bem durante o ano e a Cury é uma das companhias mais bem posicionadas para atender essa demanda”, acrescenta Mollo, da Exame Invest Pro, em relatório.

O BTG informa 16 reais como preço-alvo para a ação, enquanto a casa de análise defende um preço um pouco mais alto, de 17 reais. 

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame