Exame Invest
Mercados

Magalu: 5 análises sobre a ação após lucro da varejista saltar 740%

PUBLICADO EM: 14.5.21 | 17H42
ATUALIZAÇÃO: 14.5.21 | 19H14
Forte resultado da empresa foi impulsionado por vendas do e-commerce; ações não acompanham

Resumo do investidor

- Magazine Luiza (MGLU3) tem lucro de 258,6 milhões de reais no 1º trimestre de 2021 com o avanço do e-commerce - Ações não acompanham e registram alta após a divulgação do balanço - Analistas destacam motivos para continuar a acreditar na tese de longo prazo da empresa

Centro de distribuição do Magazine Luiza em Jundiaí, SP

É consenso entre analistas que a tese de negócio do Magazine Luiza é sólida e que a ação ainda tem espaço para avançar

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

Os resultados expressivos da varejista Magazine Luiza (MGLU3) voltaram a surpreender. No primeiro trimestre de 2021, o lucro líquido da empresa cresceu 739,7% para 258,6 milhões de reais – montante quase nove vezes superior aos 30,8 milhões de reais apurados no mesmo período do ano passado. Já o lucro líquido ajustado, que não considera despesas e receitas não recorrentes, foi de 81,5 milhões de reais. O montante é 57,3% maior do que os 51,8 milhões de reais esperados pelo consenso de mercado da Bloomberg.

Descubra as melhores oportunidades da bolsa com a ajuda da Exame Invest Pro

O bom desempenho do setor de e-commerce, que avançou 114% nos três primeiros meses do ano em relação a 2020, foi o ponto alto do resultado. As vendas totais da varejista no período cresceram 63%, atingindo 12,5 bilhões de reais, sendo que 70% delas vieram do ambiente digital. Foi o percentual mais alto da história para o segmento até hoje.

Na bolsa, porém, as cifras não foram suficientes para fazer as ações do Magalu dispararem de imediato. Os papéis da varejista encerraram o pregão desta sexta-feira, 13, em leve alta de 0,10%, após saltarem 2,90% na véspera, antes da divulgação do balanço. No ano, porém, as ações ainda acumulam queda de 22,73%. 

“A ação é boa e o resultado foi muito bom, mas o cenário não está favorecendo. O desempenho dos papéis no ano sofre com a pela expectativa geral do e-commerce no Brasil, somado à pressão de alta inflação e de elevação da curva de juros nos EUA, que acabam impactando de forma bem negativa as empresas de ‘tecnologia’ como o Magazine Luiza”, afirma Luis Fernando Mollo, analista da Exame Invest Pro.

Mollo acrescenta que o setor de varejo digital deve passar por um desafio maior nos resultados do segundo trimestre. “Em abril e maio do ano passado, todos os brasileiros estavam em casa, por isso a base de comparação para 2021 será muito alta. Vai ser difícil manter o crescimento que a companhia vem apresentando”, argumenta.

É consenso entre analistas, no entanto, que a tese da companhia é sólida e que a ação ainda tem espaço para avançar, sendo um bom investimento de longo prazo. A Exame Invest reuniu cinco dessas análises.

BTG Pactual

Recomendação: compra

Preço-alvo: 23 reais

Potencial de valorização (upside): 20,54%

Em relatório, o BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME) reforçou o bom resultado do e-commerce e sua crença no modelo de negócios do Magazine Luiza. “Apesar da desaceleração no e-commerce do Brasil em 2021, a empresa deve continuar superando o mercado de ambos segmentos, on-line e off-line”. A análise do BTG Pactual argumenta que  o e-commerce deverá continuar crescendo a um bom ritmo , com expectativa de triplicar até 2025, aumentando a penetração sobre o total de vendas no varejo. “Como em mercados mais maduros, existe uma tendência de consolidação pela frente, [em que haverão] poucos vencedores”.

Credit Suisse

Recomendação: neutra

Preço-alvo: 24.97

Potencial de valorização (upside): 30,87%

Para o Credit Suisse, as ações de e-commerce perderam brilho conforme as carteiras giraram na direção das commodities e outras empresas de valor. Ainda assim, os desafios já parecem estar precificados na visão dos analistas do banco. 

“Os fundamentos de longo prazo (ou seja, aumentar a penetração das vendas online) permanecem intactos, o que nos faz acreditar que os níveis atuais podem ser um ponto de entrada interessante para os investidores de longo prazo. Nesse sentido, o Magazine Luiza é um bom veículo para surfar essa tendência”, afirmam em relatório.

Ativa Investimentos

Recomendação: neutra

Preço-alvo: 26 reais

Potencial de valorização (upside): 36,26%

Como pontos positivos do balanço do Magalu, a Ativa Investimentos destacou a força do e-commerce, o bom resultado do Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e a expansão da companhia. “Através de um crescimento orgânico e inorgânico, o Magazine Luiza começa a entrar nos mercados de supermercado (aquisição da VipCommerce), delivery de restaurantes (aquisição da AiQFome), mercado de beleza (Época Cosméticos) e varejo esportivo (Netshoes). Essa dinâmica é bem vista por nós, tendo em vista que é a maneira da companhia conseguir capturar a penetração do online nesses diversos setores nos próximos anos”, diz o relatório.

Entre os pontos negativos, estão o maior impacto do fechamento de lojas neste trimestre em comparação ao anterior, bem como a redução da margem bruta, causada pela maior participação do segmento digital nas vendas totais. 

Goldman Sachs

Recomendação: compra

Preço-alvo: 27 reais

Potencial de valorização (upside): 41,5%

O Goldman Sachs, por outro lado, considerou que a margem bruta caiu menos do que o esperado e foi outro a realçar os fortes resultados do segmento de e-commerce. Para 2021, o banco também deve ficar atento ao compromisso da gestão com a logística de entregas e ao crescimento do Luizacred, cartão de crédito da marca. “O portfólio do Luizacred aumentou 7% no primeiro trimestre de 2021 na compração anual, enquanto a base de cartões cresceu  4% no mesmo período. O MagaluPay atingiu 2,9 milhões de contas abertas”, destaca o banco, em relatório.

BofA

Recomendação: compra

Preço-alvo: 30 reais

Potencial de valorização (upside): 57,23%

O Bank of America aponta outros fatores que podem gerar valor para MGLU3. “A ênfase contínua da empresa em consumíveis [bens não duráveis], simultânea a melhorias em logística, remessas, integração de lojas e funcionalidade de vendas cruzadas, também devem ajudar a sustentar o crescimento acima do mercado, assim como movimentos para integrar vendedores de mercado e supermercados locais por meio do VipCommerce”, diz o relatório. 

O BofA também afirma que o mercado subestimou a recente aquisição do Jovem Nerd pelo Magalu. “O site está excepcionalmente bem posicionado como um portal de comunicação cujo público envolve dezenas de milhares de desenvolvedores de software brasileiros, o que pode ajudar a recrutar talentos sob demanda”.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame