Mercado de proteína vegetal na China cresce além do hambúrguer | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Mercado de proteína vegetal na China cresce além do hambúrguer

PUBLICADO EM: 9.4.21 | 15H28
De acordo com um dos maiores operadores agrícolas do mundo, os consumidores estão cada vez mais preocupados com a saúde e buscam por novos produtos
ilustracao-hamburguer-vegetal

Imagem da Editoria Exame Invest
marianamartucci

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A China está impulsionando o crescimento do mercado asiático de proteínas vegetais à medida que os consumidores preocupados com a saúde buscam por novos produtos, de acordo com a Archer-Daniels-Midland (ADM), um dos maiores operadores agrícolas do mundo.

O consumo de proteína vegetal de origem local tem sido mais rápido na China do que em outras partes do mundo e a indústria está indo rapidamente para além dos hambúrgueres vegetais, de acordo com o presidente da ADM Ásia-Pacífico, Leo Liu. Alternativas ao camarão e marisco, queijos vegetais e petiscos proteicos estão se tornando mais populares, segundo ele.

“A conscientização e o interesse em proteínas vegetais como alternativa à carne estão crescendo”, disse Liu, de Xangai, em uma entrevista. Os chineses estão experimentando opções feitas com plantas à medida em que procuram dietas ricas em proteínas que sejam sustentáveis, práticas e atendam aos padrões de segurança alimentar, completou ele.

 

 

ADM -- um dos quatro grandes operadores agrícolas junto com Cargill, Bunge, e Louis Dreyfus -- já possui extensas operações em toda a China e vai investir ainda mais em proteínas alternativas no país, disse ele. A empresa prevê que o mercado chinês de proteínas vegetais crescerá para US$ 14,5 bilhões em 2025, ante US$ 10 bilhões em 2018.

O crescente interesse em proteínas de origem vegetal combina com o foco crescente de Pequim no meio ambiente e na segurança alimentar. A auto-suficiência se tornou destaque no último plano quinquenal da China, que veio depois que o rebanho de suínos do país foi devastado pela peste suína africana e a guerra comercial com os EUA, bem como a pandemia de Covid-19 destacou a fragilidade das cadeias de abastecimento globais.

Diversificar a proteína por meio de fontes vegetais pode ajudar a China a lidar com a escassez futura de carne, disseram os analistas da Bloomberg Intelligence, Alvin Tai e Ashley Kim, em relatório publicado em fevereiro. Reduzir o consumo de carne também faz parte da estratégia da China para reduzir sua emissão de carbono em mais de 65% em 2030, em comparação a níveis de 2005, disseram eles.

Muitas empresas sediadas na China continuarão a aumentar a capacidade de produção de carne vegetal à medida que a popularidade deste produto continua a crescer, disse a Fitch Solutions em nota publicada em 31 de março.

 

 

Interesse Global

Titãs globais da comida também está tentando entrar em ação. A Cargill iniciou uma marca de produtos de carne vegetal chamada PlantEver, que foi vendida a consumidores chineses no ano passado, enquanto o pioneiro da indústria Beyond Meat abriu sua primeira fábrica fora dos EUA, perto de Xangai, esta semana. Livekindly Collective, um grupo de marcas de proteínas alternativas dirigido por um ex-executivo da Unilever, também tem planos de se expandir na China.


Recomendado para você


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
marianamartucci

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame