MERCADOS

O que esperar do dólar no governo Biden? Yellen tem as respostas

PUBLICADO EM: 19.1.21 | 6H10
ATUALIZAÇÃO: 19.1.21 | 11H39
Próxima secretária do Tesouro será sabatinada nesta terça e deve defender que cotação dependa das forças de mercado, diferentemente do que pregava Trump

Janet Yellen quando ocupava a presidência do Fed: futura secretária do Tesouro dos Estados Unidos

Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O comportamento do dólar no governo de Joe Biden é uma das principais questões que interessam a investidores. No que depender da futura secretária do Tesouro, Janet Yellen, essa será uma decisão que caberá às forças de mercado, e não a uma vontade deliberada do governo da maior economia do mundo.

O que esperar da economia global com Biden na Casa Branca e como isso afeta meus investimentos? Descubra as respostas com os relatórios da EXAME Research

Essa será a posição que Yellen deve defender na sabatina a que será submetida no Congresso americano nesta terça-feira, 19, em Washington, segundo o jornal americano The Wall Street Journal. A publicação conversou com pessoas familiarizadas que tiveram acesso às declarações que ela pretende dar no Capitólio.

A ex-presidente do Federal Reserve (o Fed, o banco central americano) deve deixar claro que não terá como política buscar enfraquecer o dólar para favorecer a competitividade de produtos americanos exportados, uma posição defendida e cobrada com veemência pelo atual presidente Donald Trump ao longo do seu mandato.

Para Yellen, a cotação do dólar deverá ser determinada pelas forças de mercado, como acontece em economias de livre mercado. A moeda passou a se enfraquecer desde a vitória de Joe Biden nas eleições de novembro, diante da expectativa de que o próximo presidente dos Estados Unidos -- que toma posse nesta quarta, 20 -- vai acelerar os gastos fiscais para tentar estimular a ainda cambaleante economia.

"O valor do dólar americano e de outras moedas deveria ser determinado pelos mercados. Os mercados se ajustam para refletir variações no desempennho econômico e em geral facilitam ajustes na economia global", deve dizer Yellen de acordo com informações do WSJ.

A fraqueza do dólar tende a beneficiar mercados emergentes como o brasileiro, na medida em que valoriza ativos denominados em moeda estrangeira, é correlacionado com a alta nas cotações de commodities e favorece a captação de empresas no mercado global.

Veja também: Como o dólar influencia a sua vida? | EXAMINANDO 


Recomendado para você


Leia também

Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais