Exame Invest
Invest

Ômicron afeta mais ações de small caps do que de grandes companhias

PUBLICADO EM: 5.12.21 | 12H40
ATUALIZAÇÃO: 5.12.21 | 12H42
Small caps tendem a ser mais vulneráveis à decisão de consumidores ficarem em casa ou de restrições porque têm menor diversificação de linhas de negócios
B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Ações: durante a onda de liquidação estimulada pela pandemia no início de 2020, o Russell 2000 caiu mais do que o S&P 500

Imagem da Editoria Exame Invest
Estadão Conteúdo



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O surgimento da variante de covid-19 Ômicron vem atingindo com maior intensidade as ações de empresas de menor valor de mercado as chamadas small caps, do que as de grandes companhias ou blue chips. Desde o dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, o benchmark Russell 2000 caiu 7,4%.

Na semana passada, o índice recuou após um movimento de correção, perdendo mais de 10% em relação ao seu recorde de novembro. Em contrapartida o Índice S? da SeaWorld Entertainment, 10%; e as da Dave & Buster's Entertainment, 17%.

As small caps tendem a ser mais vulneráveis à decisão de consumidores ficarem em casa ou de autoridades renovando bloqueios porque, geralmente, têm menor diversificação de linhas de negócios do que as concorrentes de maior porte, o que torna as ações uma aposta mais arriscada em tempos de incerteza econômica.

"De modo geral, as small caps não estão tão bem preparadas para resistir à tempestade quanto as grandes empresas", disse o gerente de portfólio do fundo Aberdeen U.S. Small Cap, Tim Skiendzielewski.

Há apenas algumas semanas, o mercado de ações como um todo, e as empresas de pequeno porte em particular, estavam atingindo níveis históricos.

Durante a onda de liquidação estimulada pela pandemia no início de 2020, o Russell 2000 caiu mais do que o S&P 500. Mais tarde, no mesmo ano, testes promissores de vacinas contra covid-19 aumentaram as expectativas para a recuperação econômica e contribuíram para um período de liderança das small Caps.

Nesta semana, investidores monitorarão se a onda de volatilidade continua e os sinais de demanda do consumidor em relatórios de lucros da varejista de peças automotivas AutoZone, da fabricante de alimentos Campbell Soup e da fabricante de uísque Brown-Forman Corp. Alguns gestores de fundos avaliam que investidores reagiram de forma exagerada à recente queda e podem voltar às pequenas empresas cedo ou tarde.

Analistas esperam que os lucros das empresas do Russell 2000 cresçam 170% no quarto trimestre do ano, em relação a um ano antes, ante um crescimento de 22% das empresas S&P 500, de acordo com dados da Refinitiv.

A contínua recuperação econômica deve impulsionar o desempenho das small caps, dizem eles. "Os fundamentos das small caps são muito melhores do que o mercado está percebendo", disse o gerente sênior de portfólio do Westwood Holdings, Bill Costello.

Imagem da Editoria Exame Invest
Estadão Conteúdo


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame