Exame Invest
ESG

Para investidor, fala de Bolsonaro não melhora a credibilidade do Brasil

PUBLICADO EM: 22.4.21 | 14H06
ATUALIZAÇÃO: 22.4.21 | 17H33
Fábio Alperowitch, fundador da Fama Investimentos, afirma que o discurso do presidente na Cúpula do Clima não convenceu e que, sem um plano de ação, mercado não vai confiar no país

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente Jair Bolsonaro durante a Cúpula do Clima organizada pelos EUA (MARCOS CORREA/BRAZILIAN PRESIDEN)

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima organizada pelos Estados Unidos não deve mudar a desconfiança do mundo em relação ao Brasil. A opinião é de Fábio Alperowitch, fundador e gestor da Fama Investimentos, gestora que foi pioneira no país em investimentos ESG. “A fala dele foi péssima”, disse Alperowitch à EXAME. “Ele coloca metas lá na frente, mas não apresenta um plano de ação.”

Veja exemplos práticos de como as empresas geram valor aos seus negócios com as normas do ESG

Em sua fala de 3 minutos, Bolsonaro adotou uma narrativa de defesa ao que considera ações positivas do Brasil em relação à proteção ambiental. Também solicitou recursos internacionais para a conservação ambiental no país sem, no entanto, citar cifras. "A comunidade internacional terá oportunidade de cooperar com nosso destino comum durante a Conferência do Clima", afirmou. O encontro deverá ser realizado na Escócia em novembro.

A mudança de postura, no entanto, carece de credibilidade, avalia Alperowitch. “Até ontem, o Brasil derrubava floresta. Não vai mudar da noite para o dia”, disse o investidor. Para conseguir algum resultado, diz ele, o presidente deveria ter apresentado, junto com o compromisso de atingir a neutralidade em carbono até 2050.

Oportunidade desperdiçada

Para Alperowitch, os compromissos anunciados pelo presidente americano, Joe Biden, apontam a direção que os investimentos irão tomar daqui por diante. Biden pretende cortar pela metade as emissões americanas até 2030. “Esse compromisso dos EUA, e também de outros países, mostram a seriedade com que o tema das mudanças climáticas está sendo tratado”, diz Alperowitch. “Teremos uma canalização cada vez maior de recursos para a economia de baixo carbono. Era para o Brasil ser protagonista nesse processo. Estamos perdendo uma oportunidade gigantesca.”

O analista político André César, da Hold Assessoria Legislativa, também afirma que o Brasil deveria ser um dos protagonistas dos debates da Cúpula de Líderes sobre o Clima. "Não foi o que se viu. Apesar da postura mais efetiva do governo Bolsonaro, com a promessa de metas ambiciosas, o discurso do presidente brasileiro ficou no final da fila, desprestigiado pelos principais líderes mundiais. No mundo da diplomacia, deram o recado."

Para César, o presidente brasileiro seguiu o script esperado em sua fala ao citar a necessidade de apoio dos países ricos. "Bolsonaro falou em antecipar a neutralidade das emissões de gases, de 2060 para 2050, reduzindo em até 50% em 2030. Pura retórica que não encontra suporte na realidade. Um detalhe chamou a atenção: Biden havia se retirado da sala quando Bolsonaro falou, mais um sinal de pouco prestígio do titular do Planalto."

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

 

 

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame