Alta do dólar veio para ficar? A EXAME Gavekal revela o que deve acontecer | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Alta do dólar veio para ficar? A EXAME Gavekal revela o que deve acontecer

PUBLICADO EM: 3.4.21 | 13H34
ATUALIZAÇÃO: 6.4.21 | 12H20
Novo relatório analisa fatores que levaram a moeda americana a se apreciar, na contramão das projeções do mercado no início de 2021, e aponta o que se deve esperar
Dólar

Dólar: alta no acumulado de 2021 tem confundido investidores e analistas mundo afora (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Projeções de que o dólar entraria em um período prolongado de fraqueza dominaram relatórios de bancos e corretoras na passagem de 2020 e 2021, com base em fatores como a redução da aversão ao risco. Mas não é o que tem se visto até aqui neste ano.

Quer saber os rumos da economia global para antecipar as mudanças de tendência do mercado? Leia os relatórios da EXAME Gavekal Research

O Índice DXY, que mede a relação entre o dólar e uma cesta de moedas estrangeiras, teve apreciação e recuperou um terço da queda de 7,5% em 2020. Diante das novas circunstâncias, a EXAME Gavekal Research preparou um relatório sobre a trajetória do dólar no curto e no longo prazos para tentar antecipar os novos rumos da moeda.

O economista especializado em economia dos EUA Will Denyer e o analista sênior Tan Kai Xin destacam que, olhando mais adiante, ainda há razões para que haja um viés negativo no dólar americano.

"As políticas fiscais e regulatórias dos EUA provavelmente serão negativas para o dólar. Até agora, a administração de Joe Biden tem se concentrado em ampliação de gastos, mas os aumentos do salário mínimo e dos impostos corporativos continuam em sua agenda", afirmam os especialistas da Gavekal Research em relatório.

Dólar mais forte no curto prazo?

A alta do dólar no acumulado de 2021 tem confundido os investidores que acreditaram em análises mais pessimistas em relação pelo menos ao curto prazo. Para os especialistas da Gavekal Research, em outras economias, mais especificamente na zona do euro, as perspectivas de curto prazo permanecem relativamente sombrias.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, anunciou recentemente que o governo deverá aumentar os impostos sobre as empresas e os mais ricos. Isso, segundo os economistas da Gavekal, provavelmente tornará o país um lugar menos atraente para O capital. "Para compensar, o dólar americano terá que se desvalorizar", aponta o relatório.

Por outro lado, rendimentos de títulos dos EUA mais elevados e uma perspectiva de crescimento nominal mais forte no país podem atrair fluxos para o mercado de títulos dos EUA e apoiar o dólar no curto prazo.

Caso haja uma recuperação de mercados fora dos EUA, haverá uma tendência negativa do dólar em relação às principais moedas dos mercados desenvolvidos, e a economia americana verá o fluxo de capital no sentido contrário, segundo os especialistas da EXAME Gavekal.


Recomendado para você


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame