MERCADOS

Ray Dalio alerta para bolha da metade da magnitude de 1929 ou 2000

PUBLICADO EM: 27.3.21 | 16H26
ATUALIZAÇÃO: 28.3.21 | 11H55
Um dos investidores mais bem-sucedidos do mundo alerta que algumas ações de alto rendimento se beneficiaram de negociações especulativos e focadas em preços

Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Tem experiência de dez anos na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Um dos mais bem-sucedidos investidores do mundo, o bilionário Ray Dalio, da Bridgewater Associates, alertou, em nova entrevista esta semana, que o mercado de ações vive uma bolha da metade da magnitude daquelas que desencadearam derrocadas históricas das bolsas, como no estouro da ponto.com, em 2000, e da Grande Depressão, em 1929.

Quer dar um salto na carreira e no salário? Comece com a Jornada de Finanças e Negócios

Em entrevista ao Yahoo Finance, o gestor disse que algumas ações de alto desempenho se beneficiaram de negociações especulativas e focadas em preços. Ele atribuiu a recente volatilidade do mercado a uma rotação de investidores em busca de empresas que não se beneficiaram da pandemia como algumas de tecnologia.

"O que aconteceu é o que – como em muitos ciclos – novas ideias, novas tecnologias surgem e trazem revoluções fabulosas, E isso é ótimo". "Mas há uma tendência dos investidores extrapolarem o passado e não prestarem muita atenção ao preço e, quando isso acontece, começa a surgir uma espécie de bolha", disse Dalio.

Pelas medições do fundador da Bridgewater, que possui 150 bilhões de dólares em ativos sob gestão, a bolha que se forma agora ainda não é do tamanho das que ocorreram em 2000 ou 1929, mas está "a meio caminho andado".

Apesar da pandemia no ano passado, o S&P 500, um dos principais índices acionários americanos, encerrou 2020 com retorno total de cerca de 18%. O movimento foi impulsionado por gigantes da tecnologia que se beneficiaram com a popularização de serviços de e-commerce e streaming de entretenimento, com as lojas de rua fechadas por conta da covid e as pessoas em casa.

Na última sexta-feira, o S&P 500 subiu 1,66%, renovando outro recorde de fechamento, ao atingir os 3.974,54 pontos. Em 2021, o índice já acumula ganhos de quase 6%.

 


Recomendado para você


Leia também

Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Tem experiência de dez anos na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub.


Compartilhe nas redes sociais