ECONOMIA

PIB dos EUA cresce 4% no quarto trimestre e confirma desaceleração da retomada

PUBLICADO EM: 28.1.21 | 10H47
ATUALIZAÇÃO: 28.1.21 | 18H56
No ano, o PIB americano recuou 3,5% ante 2019, em meio às quedas bruscas no começo da pandemia. Avanço do coronavírus, vacinação ainda lenta e dúvidas sobre pacote de Biden preocupam para 2021

Pessoas em fila para seguro desemprego no Kentucky, nos EUA: economia deve retomar em 2021, mas ainda de forma mais lenta (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
Carolina Riveira

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

O PIB dos Estados Unidos cresceu 4% no quarto trimestre de 2020, segundo divulgado pela Agência de Análises Econômicas (BEA, na sigla em inglês) nesta quinta-feira, 27. No ano, o PIB americano recuou 3,5% ante 2019, oficializando a recessão no país.

O valor, em taxa anualizada, vem em linha com as expectativas do mercado, mas ainda é o pior crescimento americano desde 1946, após o fim da Segunda Guerra Mundial. É também a primeira contração da economia desde a crise de 2008-2009.

"O aumento do PIB no quarto trimestre reflete tanto a recuperação econômica continua ante as quedas bruscas anteriores no ano quanto o impacto contínuo da pandemia da covid-19, incluindo novas restrições e medidas implementadas em algumas áreas dos EUA", escreveu o BEA em nota com a divulgação dos resultados.

O crescimento no quarto trimestre se confirmou aquém da alta no trimestre anterior, quando o PIB americano cresceu 33,4% em uma taxa anualizada, um recorde na história americana. O crescimento foi impulsionado por um pacote de estímulo trilionário do governo no ano passado, que incluíram pagamentos de auxílio a desempregados e empréstimos a empresas.

É certo que o ritmo de recuperação da economia americana desacelerou no final do ano passado, o que aponta para um cenário ainda nebuloso em 2021.

Parte da incerteza vem do próprio avanço da pandemia: os EUA chegaram à triste marca de mais de 400.000 mortos pela covid-19, e chegou a ter mais de 200.000 novos casos diários da doença no começo do mês. Nas últimas duas semanas, o número de novos casos vem caindo, mas ainda preocupa e passa de 100.000 por dia. O avanço da doença, somado à lentidão na vacinação, tem feito os estados americanos imporem novas restrições à mobilidade, o que prejudicou a economia no fim do ano. 

Em relatório nesta semana, o FMI melhorou sua projeção para a economia dos EUA, prevendo crescimento de 5,1% em 2021, 2 pontos percentuais acima do que havia previsto em seu relatório de outubro do ano passado, em parte diante da expectativa pelos estímulos fiscais do governo de Joe Biden.

Segundo o órgão, a revisão para cima reflete o forte impulso da economia ao longo do segundo semestre de 2020 e o suporte adicional dado pelo pacote fiscal aprovado em dezembro, quando o presidente Donald Trump assinou um plano de estímulo de 900 bilhões de dólares.

A economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, disse que o novo pacote de estímulo econômico proposto há duas semanas pelo presidente Joe Biden, de 1,9 trilhão de dólares, poderia impulsionar a economia americana em 1,25% neste ano e em até 5% ao longo de três anos. O “Plano de Resgate Americano” de Biden prevê, entre outras coisas, financiar um programa nacional de vacinação, criar fundos de emergência para os governos estaduais e locais, fornecer ajuda direta a empresas e famílias (incluindo um cheque de 1.400 dólares para milhões de americanos) e dobrar o salário mínimo (que subiria para 15 dólares a hora).

No entanto, não está claro se o pacote de Biden passará no Congresso, com republicanos já defendendo um escopo menos ambicioso. 

A agilidade da vacinação também será crucial para a retomada americana em 2021. Embora os EUA sejam o país com mais doses da vacina da covid-19 aplicadas (com quase 26 milhões de doses desde dezembro), a vacinação tem tido gargalos e sido mais lenta do que o esperado. Nesta semana, Biden ordenou a compra de mais 200 milhões de doses de vacinas. Os EUA têm vacinado até agora com as vacinas de Pfizer/BioNTech e Moderna.

Os EUA tem uma taxa de quase 8 doses da vacina por 100 habitantes -- o que significa que, se todos tivessem recebido somente uma dose, o país chegaria à casa dos 8% da população imunizada.

Na prática, como parte das vacinas foi usada na segunda dose, o país tem cerca de 6,5% da população tendo tomado ao menos uma dose da vacina, segundo contagem da Bloomberg. (O país que lidera nesta frente é Israel, com quase 50 doses a cada 100 habitantes e mais de um terço da população já tendo tomado ao menos uma dose.)

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?
 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Carolina Riveira

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame