Exame Invest
ESG

Precificar carbono elevaria produtividade, diz dirigente do BoE

PUBLICADO EM: 14.1.22 | 11H33
Preço global para a poluição por combustíveis fósseis pode estimular o investimento que tiraria a economia global da insensibilidade
Pedestres caminham em frente ao Banco da Inglaterra

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Uma autoridade monetária do Banco da Inglaterra disse que adotar um preço global para a poluição por combustíveis fósseis pode estimular o investimento e a produtividade que tirariam a economia global da insensibilidade.

Catherine Mann, membro do Comitê de Política Monetária do banco central do Reino Unido, disse que precificar as emissões de carbono em todos os lugares pode alimentar uma melhoria estrutural na produtividade, que daria um choque positivo ao crescimento.

“Mudar a taxa do preço relativo do carbono é um divisor de águas para a criação de incentivos”, disse Mann durante evento online organizado pelo Banco Europeu de Investimento nesta quinta feira.

Os comentários indicam uma maneira de as autoridades de política monetária aumentarem a taxa de crescimento potencial, que ficou para trás na última década. Embora a tecnologia de computadores tenha aumentado a produtividade na década de 1990, esses ganhos ficaram mais lentos nos últimos anos, com economistas debatendo maneiras de obter novos ganhos.

Mann tornou-se uma defensora cada vez maior da precificação global do carbono como forma de reduzir as emissões e estimular o crescimento. Na semana passada, ela chamou essas ideias de “santo graal” que poderiam levar ao “maior nível de desempenho econômico no médio prazo”, além de trazer benefícios climáticos.

“Se você mudar o preço relativo do carbono, terá que mudar produtos, processos, práticas no local de trabalho”, disse Mann na Associação Econômica Americana, em 7 de janeiro. “Você tem que investir em algo diferente para mudar esses pontos, e você tem que mudar o comportamento do consumidor também.”

Tal mudança teria que ser global para ter tração, disse Mann, e esse objetivo pode ser ilusório.

Enviados de quase 200 nações debateram uma estrutura global para os mercados de carbono por décadas nas negociações climáticas das Nações Unidas. Eles concordaram com um livro de regras para compensações no ano passado, embora tentativas anteriores de criar um mercado global tenham fracassado.

A precificação do carbono surgiu como ferramenta de controle de emissões em 1997, quando o conceito foi endossado nas negociações da ONU como parte do Protocolo de Kyoto.

Desde então, iniciativas de precificação de carbono surgiram em 65 jurisdições, de acordo com o Banco Mundial. Mas a colcha de retalhos do sistema funciona de maneira diferente e foca a poluição de diferentes fontes.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame