Exame Invest
ESG

Príncipe William critica corrida do turismo espacial antes da COP26

PUBLICADO EM: 14.10.21 | 10H13
ATUALIZAÇÃO: 15.10.21 | 10H33
Estas críticas surgiram horas depois de o ator da série "Star Strek" William Shatner ter feito uma viagem de alguns minutos ao espaço, na quarta-feira (13), a bordo de um foguete Blue Origin
Príncipe William

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O príncipe William, número dois na sucessão ao trono britânico, criticou nesta quinta-feira (14) o turismo espacial e pediu concentração nos problemas do planeta antes da grande conferência sobre o clima COP26, que será realizada em Glasgow.

"Algumas das mentes e dos cérebros mais brilhantes do mundo deveriam, antes de mais nada, tentar consertar este planeta, não tentar encontrar outro lugar para viver", disse William, de 39 anos, em uma entrevista à rede BBC antes da entrega, no domingo (18), da primeira edição do prêmio Earthshot. A distinção foi criada por ele para estimular soluções para a crise climática.

Estas críticas surgiram horas depois de o ator da série "Star Strek" William Shatner ter feito uma viagem de alguns minutos ao espaço, na quarta-feira (13), a bordo de um foguete Blue Origin. Aos 90 anos, o ator canadense se tornou a pessoa mais velha a chegar à última fronteira.

Este foi o segundo voo de passageiros do foguete do bilionário americano Jeff Bezos, fundador da Amazon, que pretende se firmar como protagonista no cobiçado setor de turismo espacial. Estão nesta corrida o britânico Richard Branson e o magnata americano Elon Musk.

Antes da COP26, que começa em 31 de outubro, o príncipe também elogiou seu pai, Charles, por estar "muito à frente", em matéria de mudança climática. Somou-se a ele para pedir medidas contundentes em Glasgow.

O príncipe de Gales, de 72 anos, "mostrou que está muito à frente, muito além de seu tempo, ao alertar sobre alguns desses perigos", disse William.

"Mas não deveria ser necessário que uma terceira geração apareça e tenha que aumentar ainda mais a pressão", acrescentou.

"Seria um desastre absoluto se o meu filho George (de 8 anos) estivesse sentado aqui, falando com vocês, daqui a 30 anos, ainda falando a mesma coisa, porque aí será tarde demais", frisou.

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame