Exame Invest
Mercados

Quatro grandes riscos podem frear retomada global

PUBLICADO EM: 6.7.21 | 14H25
Ameaças incluem novas variantes do coronavírus e aceleração da inflação, apontam economistas do banco Berenberg
Economia dos EUA: Vendas no varejo nos EUA aumentaram 0,8% em outubro

Economistas alertam para riscos de pressão inflacionária apesar de autoridades monetárias reforçarem leitura de que alta dos preços será temporária

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

(Bloomberg) – Novas variantes do coronavírus e a aceleração da inflação estão entre os quatro maiores riscos para a economia mundial durante a recuperação da pandemia, de acordo com o banco Berenberg.

Outras ameaças incluem políticas equivocadas, como o aumento excessivo de impostos e encargos regulatórios, bem como um ataque da China contra Taiwan, segundo relatório de economistas liderados por Holger Schmieding e divulgado na terça-feira.

Invista com a assessoria do maior banco de investimentos da América Latina. Veja como se tornar cliente VIP EXAME Invest + BTG Pactual digital.

Com a possível exceção da aceleração das pressões dos preços, os riscos não são maiores do que há seis meses.
A variante delta mais transmissível do coronavírus já causa um aumento dos casos de Covid-19 no Reino Unido e em alguns países do sul da Europa. A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse que a cepa pesa na balança de riscos econômicos.

“Ainda precisamos observar o principal risco de que surjam novas variantes para as quais as vacinas atuais não sejam eficazes”, o que poderia exigir uma nova imposição de restrições até que os imunizantes possam combatê-las, disse o Berenberg. “Um aumento mais forte e persistente da inflação poderia forçar bancos centrais a pisarem no freio em vez de apenas tirar o pé do acelerador.”

Os economistas também disseram que as pressões dos preços ao consumidor provavelmente não diminuirão diante da alta temporária tanto quanto as autoridades esperam em 2022, e é provável que haja um período de aceleração gradual da inflação subjacente depois disso.

O núcleo da inflação nos EUA e no Reino Unido pode subir para 3% até meados da década, estimam. Na zona do euro, esse indicador pode chegar a 2,5%.

Há um risco de aumentos excessivos de impostos nos EUA e de uma onda de novas regulamentações, e a Alemanha poderia enfrentar o mesmo problema se uma coalizão de esquerda assumir o lugar da chanceler conservadora Angela Merkel.

Para a França, o maior risco é uma vitória de Marine Le Pen, da extrema direita, o que causaria atrito na União Europeia e provavelmente prejudicaria o crescimento econômico do país, disse o relatório.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame