Exame Invest
Minhas Finanças

Quer financiar um imóvel? Quanto você precisa ganhar em 3 faixas de preço

PUBLICADO EM: 30.9.21 | 7H00
ATUALIZAÇÃO: 30.9.21 | 10H29
Veja quanto é necessário ganhar e juntar de entrada para financiar imóveis de R$ 400 mil, R$ 750 mil e R$ 1 milhão, segundo cálculos da startup Melhortaxa para a EXAME Invest
Imóveis em São Paulo

Quem tem guardado 80 mil reais e uma renda familiar de 10.300 reais consegue dar entrada em um imóvel de 400 mil reais | Foto: Germano Lüders/EXAME

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Os bancos aumentaram os juros de financiamento habitacional na esteira da alta na taxa básica, a Selic. A taxa média de juros praticada nessa modalidade de crédito passou de 7% ao ano em fevereiro para 8,15%, e a perspectiva é que haja novos reajustes, pois a Selic deve continuar a subir como forma de conter a inflação futura no país.

Para ajudar quem quer aproveitar a oportunidade para adquirir um imóvel antes que os juros subam ainda mais, a EXAME Invest pediu à startup Melhortaxa – que funciona como um comparador de crédito imobiliário – para calcular quanto é preciso dar de entrada para financiar imóveis em três faixas de preço: 400 mil reais, 750 mil reais e 1 milhão de reais.

A tabela mostra os valores das parcelas e a renda mínima familiar necessária, bem como o tempo médio para juntar o valor.

Um imóvel de 400 mil reais estará acessível para uma pessoa que já tenha guardado 80.000 reais (equivalente a 20% do valor do imóvel) para dar de entrada e possua renda familiar a partir de 10.300 reais. A parcela inicial ficará em torno de 3.100 reais. É recomendável que essa pessoa tenha uma reserva de emergência. Em fevereiro, quando a taxa Selic estava em 2% ao ano, era necessária uma renda familiar de 9.300 reais para financiar um imóvel de mesmo valor.

Veja abaixo os resultados da pesquisa:

Imóvel de R$ 400 mil

Entrada: R$ 80 mil

Valor financiado: R$ 320 mil

CET (Custo Efetivo Total ao Ano)Primeira ParcelaÚltima ParcelaRenda familiar necessária
8,99% R$         3.102,67 R$         957,07 R$    10.342,23

Imóvel de R$ 750 mil

Entrada: R$ 150 mil

Valor financiado: R$ 600 mil

CET (Custo Efetivo Total Ano)Primeira ParcelaÚltima ParcelaRenda familiar necessária
8,85% R$         5.795,63 R$      1.772,64 R$    19.318,77

Imóvel de R$ 1 milhão

Entrada: R$ 200 mil

Valor financiado: R$ 800 mil

CET (Custo Efetivo Total Ano)Primeira ParcelaÚltima ParcelaRenda familiar necessária
8,82% R$         7.719,18 R$      2.355,19 R$    25.730,58

No caso de um imóvel que vale 750 mil reais, a renda mínima necessária gira em torno de 19.300 reais. A primeira parcela do financiamento será de 5.700 reais.

Por fim, no caso de um imóvel de 1 milhão de reais, a família deve ganhar pelo menos 25.700 reais e pagar uma prestação mensal de aproximadamente 7.700 reais.

Todos os valores são estimados para financiamentos de 360 meses (30 anos) com juros de 8,15% ao ano mais TR (taxa referencial), que atualmente está zerada.

Tempo médio para juntar os valores

A Melhortaxa também montou simulações para quem não tem uma reserva de emergência e quer começar a juntar dinheiro para dar a entrada no financiamento. Independentemente do preço do imóvel, leva-se em média de dois a três anos para conseguir acumular a quantia que equivale a 20% de entrada sobre o valor do imóvel.

Uma das regras listadas por planejadores financeiros é poupar mensalmente o equivalente a 20% do salário ou mais, se possível. As opções de investimento variam conforme o perfil.

Para quem não tem dívidas, é recomendável poupar o 13º salário e o adicional de férias por dois anos consecutivos. Também é necessário colocar na ponta do lápis as despesas pessoais, como o aluguel da moradia atual.

E para quem já tem o valor da entrada? O conselho, nesse cenário, é não esperar demais, porque, além da alta esperada da Selic, que deve continuar a tornar o crédito imobiliário mais caro, a inflação de insumos para construção civil deve seguir aumentando o preço de casas e apartamentos.

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame