Exame Invest
Mercados

Quer proteção contra risco de cauda? Bancos e ouro, diz EXAME Gavekal

PUBLICADO EM: 21.12.20 | 21H15
ATUALIZAÇÃO: 10.2.21 | 16H24
Aumento dos juros no mundo desenvolvido pode ajudar a recuperar o setor financeiro, enquanto controle das taxas favoreceria mineradoras de ouro
Ouro

(Getty Images/Bloomberg Creative)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Apesar da ameaça da segunda onda da pandemia, a economia mundial encerra o ano com perspectivas mais sólidas de recuperação, em meio ao desfecho da eleição americana e à aprovação de vacinas contra o novo coronavírus. Um dos reflexos naturais será o aumento dos juros de médio e longo prazo, na medida em que a atividade econômica se normaliza. Quais serão os efeitos desse movimento? E, mais importante, como se posicionar? São respostas apresentadas pelo novo relatório da EXAME Gavekal Research, a parceria da casa de análises da EXAME com uma das maiores consultorias em economia global.

Conheça 10 investimentos promissores em 2021 segundo o BTG Pactual Digital. Baixe relatório gratuito

"Conforme o mundo volta ao normal -- seja em 3, 6 ou 12 meses a partir de agora --, uma expectativa óbvia é que os juros dos títulos retornem aos níveis anteriores à covid-19", escreve Louis Gave, fundador e atual CEO da Gavekal Research.

Gave nota que, na década anterior à pandemia, os juros de 10 anos dos Treasuries (os títulos do Tesouro americano) foram em média de 2,4%. Com a chegada da pandemia e das medidas de lockdown, os juros caíram para 0,52%. Neste fim de ano (uma semana atrás), haviam subido para 0,95%. Isso significa que, se os rendimentos dos títulos voltarem a ficar apenas um desvio-padrão abaixo de sua média na década passada, haverá um aumento de 90 pontos-base (0,9 ponto percentual) nas taxas, para 1,85% ao ano.

"Isso significa quase o dobro dos custos de financiamento do governo dos Estados Unidos -- com dramático aumento para outros governos ocidentais", afirma o CEO da Gavekal.

A normalização dos juros pode trazer um desafio gigantesco para as economias ricas que ampliaram seu endividamento para bancar essencialmente pagamentos a famílias e empresas impactadas pela crise econômica com a pandemia. O fundador da Gavekal destaca que 17 trilhões de dólares no mundo são negociados com juros negativos.

Diante desse cenário, Louis Gave avalia como o Fed (o banco central americano) e outros BCs de economias desenvolvidas irão reagir e aponta dois caminhos mais prováveis. No primeiro, o Fed permite que os juros subam, o que fará com que a "impressionante recuperação" de novembro de ações do setor financeiro não tenham efeito apenas duradouro. "Nesse sentido, ter opções de compra fora-do-dinheiro no setor financeiro (...) pode ser a melhor proteção contra o risco de cauda de um aumento contínuo na taxa de juros."

Por outro lado, avalia Gave, o banco central americano pode optar pelo controle da curva de juros, para evitar que o custo de financiamento do Tesouro americano tenha aumento significativo. A hipótese ganha força quando se nota que a próxima secretária do Tesouro será Janet Yellen, que ocupou justamente a presidência do Fed -- um alinhamento não seria de todo descabido.

Essa escolha traria implicações para o dólar, reforçando o apelo de outros ativos considerados reserva de valor. "Nesse sentido, ter opções de compra de ouro e prata fora-do-dinheiro pode ser a proteção contra o 'risco de cauda' dos controles da curva de juros", diz o experiente economista.

Qual das alternativas parece mais provável? Louis Gave oferece a sua avaliação diante dos acontecimentos das últimas semanas. Leia mais no relatório completo da EXAME Gavekal Research.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame