Exame Invest
Mercado imobiliário

QuintoAndar aposta em corretor 2.0 para avançar no aluguel offline

PUBLICADO EM: 23.5.21 | 8H25
ATUALIZAÇÃO: 8.6.21 | 11H11
Startup líder no mercado de aluguel quer ampliar a liquidez do setor capacitando corretores que também vão captar inquilinos e que terão atuação mais ativa na negociação
Imóveis em São Paulo

Vista aérea de São Paulo: startups continuam a inovar para facilitar o fechamento de contratos | Foto: Germano Lüders/EXAME

Foto de Marcelo Sakate da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Marcelo Sakate

Editor da EXAME Invest, jornalista com MBA em Mercado de Capitais e passagens por Folha de S. Paulo, Veja, 6 Minutos (C6 Bank) e CNN Brasil | marcelo.sakate@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

As startups dedicadas ao mercado imobiliário continuam a desenvolver e a lançar soluções para reduzir as fricções que impedem que as negociações de aluguel e de compra e venda se tornem mais recorrentes.

O QuintoAndar, líder no mercado de aluguel de imóveis com sua plataforma digital, está lançando uma nova modalidade de corretor de imóvel para avançar em um dos segmentos com maior potencial de crescimento, o de imóveis cujos proprietários ainda estão no mundo offline, ou seja, sem contato por meio de aplicativos e sites.

Tenha uma renda vitalícia com imóveis sem precisar comprá-los. Veja como com a EXAME Academy

O profissional chamado de consultor imobiliário é uma espécie de corretor de imóveis 2.0, que é necessariamente registrado no Creci (o Conselho Regional de Corretores de Imóveis), mas que recebe capacitação do próprio QuintoAndar para ir além das atribuições tradicionais da carreira.

Isso significa, em termos práticos, que ele não só ajuda a encontrar um imóvel potencial cujo proprietário que está no mundo offline e depois faz a negociação; mas também explica como funciona a plataforma, faz o meio de campo para a produção das fotografias e o assessora de forma mais ativa durante os processos de negociação de locação.

Ou seja, vai além do trabalho tradicional de encontrar inquilinos para os imóveis. Ele recebe remuneração adicional pelo trabalho a mais que executa, como uma taxa de 650 reais relativa a cada imóvel que cadastra na plataforma.

Para o QuintoAndar, a iniciativa -- que já estava em fase de testes nas últimas semanas e agora entra em escala operacional nas principais regiões metropolitanas em que atua -- vai ajudá-la a promover o crescimento no mundo offline, de proprietários que não conheciam a plataforma por causa de eventuais barreiras no acesso à internet.

A expectativa da startup é que o projeto possa ampliar em pelo menos 10% o total de imóveis colocados na plataforma para aluguel, além de ampliar as taxas de conversão de visitas em contratos fechados.

"O consultor imobiliário abre possibilidades de atuação para os corretores, ao mesmo tempo em que beneficia proprietários que não usavam o QuintoAndar por falta de apoio para usar ferramentas digitais e inquilinos que buscam imóveis conosco, que terão mais opções", diz Denis Caldeira, vice-presidente de vendas e experiência do cliente do QuintoAndar.

Caldeira esclarece que a adesão de corretores é voluntária e que as duas modalidades da carreira devem coexistir, uma vez que nem todos os profissionais terão interesse em fazer a transição.

Fundado em 2013 pelos empreendedores Gabriel Braga e André Penha, o QuintoAndar lidera o mercado de aluguel de imóveis no país, com mais de 50 bilhões de reais em ativos sob administração em 30 cidades, em 9 das principais regiões metropolitanas do país. Desde 2019, é um dos raros unicórnios brasileiros, como são chamadas as startups com valor acima de 1 bilhão de dólares.

Uma das principais inovações lançadas pelo QuintoAndar no mercado foi a facilitação e a redução das burocracias que impedem que milhões de brasileiros fechem contratos de aluguel. A startup providencia o registro de documentos em cartórios, dispensa a necessidade de o inquilino apresentar um fiador e viabiliza o agendamento de visitas ao imóvel por meio de aplicativos, entre outras funcionalidades que reduzem as fricções tão comuns no mercado brasileiro.

Foto de Marcelo Sakate da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Marcelo Sakate

Editor da EXAME Invest, jornalista com MBA em Mercado de Capitais e passagens por Folha de S. Paulo, Veja, 6 Minutos (C6 Bank) e CNN Brasil | marcelo.sakate@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame