ESG

Randon adota o ESG e divulga pilares estratégicos para investidores

PUBLICADO EM: 1.6.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 1.6.21 | 6H49
Fabricante de autopeças irá divulgar metas socioambientais ao mercado nesta terça-feira
Fábrica da Randon: autoindústria acumula queda na produção em 2020

Randon: fabricante de autopeças irá divulgar metas socioambientais ao mercado nesta terça-feira

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A fabricante de carrocerias e autopeças Randon anuncia hoje, 01, os seus pilares ESG (sigla para ambiental, social e de governança) para o futuro. O anúncio das metas sociais e ambientais vem após a entrada da empresa no Pacto Global da ONU, rede de empresas que assumem compromissos públicos a favor do desenvolvimento sustentável.

Esteja preparado para discutir sobre ESG e aprenda com empresas que já vivem essa realidade.

A divulgação das metas sustentáveis é uma tentativa de consolidar a tradição ambiental da empresa septuagenária. O grupo gaúcho de Caxias do Sul é hoje um dos principais fabricantes de peças automotivas da América Latina, e mantém o ESG desde os primórdios da empresa. Essas ações, no entanto, ainda não haviam sido compiladas em um plano estratégico para a década de ação.

No centro das ações ambientais, a Randon diz promover o uso consciente de energia, controle de emissões de carbono, além de uma gestão de resíduos eficiente, com zero desperdício. A empresa investiu cerca de 11 milhões de reais em 2019 em ações ambientais para melhoria nesses quesitos. Em seu relatório anual de sustentabilidade, a Randon também diz ter reciclado todo o resíduo de sucata gerado em 2019. Foram mais de 24.000 toneladas.

Do ponto de vista social, a empresa também mantém o Instituto Elisabetha Randon (IER), que promove ações de educação, cultura, assistência social e educação para o trânsito. Até o momento, foram 2,2 milhões de reais investidos no Instituto.

Esse pode ser de fato o melhor momento para que a Randon abrace de vez o tema. A empresa teve o melhor trimestre de toda a sua história em 2021, com um lucro multiplicado em 4.000 vezes, alcançando os 134 milhões de reais. O agronegócio em alta foi o grande responsável pelo desempenho da companhia no período.

Em entrevista à Exame, em novembro do ano passado, o presidente da Randon, Daniel Randon, antecipou planos do grupo de ampliar a produção de carretas ecológicas, feitas com motores híbridos - que combinam combustível fóssil e eletricidade. “Esses materiais terão materiais mais leves e que podem reduzir o impacto ao meio ambiente”, disse.

Em fevereiro do ano passado, a empresa também lançou o seu braço de investimentos em startups, a Randon Ventures, numa tentativa de se aproximar da tecnologia e a inovação que vem das pequenas empresas. O orçamento para os investimentos é de 15 milhões de reais, e a estratégia inclui startups que se encontram em fase mais avançada de crescimento. Em outubro a empresa também investiu cerca de 2 milhões em uma plataforma própria de inovação aberta que conecta startups à operação do grupo.

A pergunta que fica é se o impacto da aliança com o ESG irá repercutir no desempenho da companhia e no cumprimento das metas financeiras desejadas. Entre elas, atingir a receita de 7 bilhões de reais ao final deste ano, um montante quase 30% superior ao resultado visto em 2020, quando a empresa faturou 5,4 bilhões de reais.

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME. 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame