Renda Fixa: o que é e como funciona | Exame Invest
Exame Invest
Invest Pro

Renda Fixa: o que é e como funciona

PUBLICADO EM: 16.12.20 | 20H27
ATUALIZAÇÃO: 4.5.21 | 14H34
Entenda o que é a renda fixa e conheça as regras de remuneração desse investimento, recomendado para quem quer segurança
Inflação; IPCA; Boletim Focus;

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

Até mesmo os investidores mais arrojados devem ter parte do seu dinheiro investido em aplicações de renda fixa. Como o próprio nome sugere, os investimentos dessa classe têm rendimento fixo e por isso apresentam menos volatilidade.

Neste artigo explicaremos o que são as aplicações de renda fixa e quais são os indicadores que influenciam o retorno desses investimentos.

O que é renda fixa?

Renda Fixa é um investimento com regras de remuneração definidas no momento da aplicação. É recomendada para quem busca um risco menor de perdas e funciona como um "empréstimo" ao contrário.

Vamos explicar: o investidor entrega seu dinheiro para o emissor do título de renda fixa e, em troca, recebe uma rentabilidade determinada.

Quando o investidor compra um título de renda fixa, está emprestando dinheiro ao emissor do papel, que pode ser uma empresa, um banco ou o governo. Em troca, receberá seu dinheiro corrigido por uma taxa de juros no prazo determinado.

Por exemplo: no CDB, que é um título de dívida bancário, é como se o investidor estivesse emprestando dinheiro para o banco.

Como a renda fixa funciona?

O investidor que compra um título de renda fixa recebe em troca uma rentabilidade pré-determinada, que pode ser definida de três formas: pós-fixada, pré-fixada ou híbrida.

Na modalidade pós-fixada, a rentabilidade será paga em um percentual de algum indexador, como o Certificado de Depósito Interbancário (CDI), a taxa básica de juros (Selic) ou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Por exemplo, um CDB que pague o equivalente a 100% do CDI vai render exatamente a variação do CDI no período previsto para o investimento.

Na versão prefixada, a rentabilidade total do investimento é definida no momento da aplicação. Por exemplo: um CDB prefixado com rentabilidade anual de 5% vai pagar exatamente esse percentual, mesmo que os indicadores (Selic, CDI e IPCA) subam ou caiam no período.

Existem ainda os investimentos híbridos, que usam tanto uma taxa atrelada a algum indexador como um percentual prefixado. É o caso do Tesouro IPCA+, um dos títulos do Tesouro Direto.

Tipos de investimento em renda fixa

Existem diversos tipos de investimentos classificados como renda fixa. Veja abaixo os principais negociados no mercado:

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Tesouro Direto;
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI);
  • Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA);
  • Recibo de Depósito Bancário (RDB);
  • Debêntures;
  • Fundos de investimento;
  • Poupança.

Cada aplicação possui uma característica específica, por isso é muito importante que o investidor entenda as condições de liquidez (prazo de resgate), volatilidade e rendimento de cada título. É possível, por exemplo, encontrar produtos de uma mesma categoria com condições completamente diversas.

Qual o rendimento da renda fixa?

Como mencionamos, existem diversos indicadores que influenciam o desempenho dos investimentos de renda fixa. Os principais são: Selic, CDI e IPCA. Historicamente, Selic e CDI têm um desempenho bastante próximo, enquanto o IPCA é um indicador que reage à dinâmica dos preços do país.

Veja abaixo o desempenho histórico do CDI:

Made with Flourish
Por ser baseado no custo básico do dinheiro, o CDI acompanha de perto a Selic. Já a inflação tem uma trajetória diferente, embora os preços dos produtos impactem diretamente a política do Banco Central para a composição dos juros básicos.
Veja abaixo o histórico da Selic e da inflação no Brasil:

Retorno da renda fixa em 2021

As decisões do Banco Central para a Selic influenciam diretamente o CDI, principal indicador para a renda fixa. Ao contrário da taxa Selic, cuja meta é definida para o ano, o CDI tem valores diários e mensais.

Veja abaixo a tabela com o rendimento mensal do CDI em 2021:

MêsTaxa do CDI
Janeiro0,15%
Fevereiro0,13%
Março0,20%
Abril0,19%

Renda fixa é sempre segura?

Um título de renda fixa pode ser emitido por uma instituição pública ou privada, como bancos, empresas ou o governo. Portanto, a segurança de um título de renda fixa estará sempre atrelada a outras características do investimento, como os objetivos, o prazo, a rentabilidade, o risco e o seu emissor.

Alguns investimentos tradicionais em renda fixa, como os títulos do Tesouro Direto, são considerados mais seguros porque o emissor é o governo. Nessa categoria, alguns são considerados mais seguros, como o Tesouro Selic, porque a rentabilidade está atrelada à taxa básica de juros, a Selic.

Por essa razão, são títulos normalmente utilizados para formar a reserva de emergência, aquele montante que deve estar à disposição para acesso imediato em caso de algum evento atípico, como uma demissão ou um conserto de carro.

O que são fundos de investimento em renda fixa?

Fundos de renda fixa são aqueles que devem ter uma carteira composta por, pelo menos, 80% dos seus ativos em títulos públicos ou privados de renda fixa. São fundos voltados para o investidor com perfil conservador, porque os riscos são mais baixos, mas, por outro lado, oferecem um potencial menor de retorno.

Além da renda fixa, outra parte do portfólio do fundo pode ser investida em ativos diversos para aumentar a rentabilidade do fundo.

Como a maior parte do patrimônio é aplicada em ativos de renda fixa, esse é um tipo de investimento que pode oferecer maior segurança e um retorno acima do CDI, um dos principais indicadores de rentabilidade para a renda fixa.

Por que Selic e CDI influenciam a renda fixa?

Como a Selic é a taxa básica de juros da economia, ela serve de base para diversas taxas de abrangência nacional - não só as cobradas em empréstimos e financiamentos, mas também nas taxas de retorno em aplicações financeiras, como o CDI, que é o Certificado de Depósito Interbancário.

O CDI é um mecanismo de lastro (garantia) para operações realizadas diariamente por instituições financeiras. Ele reflete diretamente o custo dos empréstimos feitos entre os bancos, e por isso costuma acompanhar de perto a própria taxa Selic.

É importante lembrar que, em tempos de Selic baixa, os investimentos de renda fixa tendem a ter rentabilidade menor.

Se o Banco Central decidir aumentar ou reduzir a Selic, o rendimento da aplicação será diferente a partir do mês em que houve a mudança na taxa básica de juros.

Existem, ainda, ativos como os títulos do Tesouro Selic que são diretamente impactados pela variação da taxa básica de juros.

Por que a inflação influencia a renda fixa?

Por fim, como a Selic tem relação direta com a inflação, os investidores que aplicam em títulos cujo rendimento é calculado pelo indicador oficial de inflação, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), devem observar as movimentações da taxa básica de juros.

Alguns dos investimentos indexados pelo IPCA são o Tesouro IPCA+, debêntures, LCIs, LCAs, CRIs, CRAs e fundos de renda fixa.
ou uma emergência médica.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame