Sem Carnaval, mas com vendas maiores: receitas do varejo sobem até 72% | Exame Invest
Exame Invest
ECONOMIA

Sem Carnaval, mas com vendas maiores: receitas do varejo sobem até 72%

PUBLICADO EM: 2.3.21 | 6H40
ATUALIZAÇÃO: 2.3.21 | 10H35
Crescimento médio do faturamento foi de 33% neste ano na comparação com os quatro dias de desfiles e festas em 2020, segundo números da Rede, do Itaú Unibanco
Rede_maquininha_2020 (002)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O adiamento do Carnaval por causa da pandemia do novo coronavírus tirou de muitas cidades brasileiras uma das principais fontes de receita, relacionadas com os gastos de turistas. Mas um levantamento recém-concluído aponta um crescimento expressivo das receitas de todo o varejo, reforçando a tese de que os feriados deixam de fazer a roda da economia girar.

Conquiste sua independência financeira: saia das dívidas com a orientação do especialista André Bona

Os dias que seriam de festa neste ano, de 13 a 16 de fevereiro, registraram aumento de 32,8% no faturamento das vendas do varejo na comparação com os mesmos dias de Carnaval no ano passado. Os dados são da Rede, empresa de meios de pagamentos -- e maquininhas -- do maior banco do país, o Itaú Unibanco.

As maiores altas ocorreram na segunda-feira, dia 15, e na terça-feira (16), com crescimento de 40% e 72%, respectivamente.

No acumulado dos quatro dias que estavam previstos para o Carnaval, os setores com maior alta no faturamento foram:

  1. Saúde: +175,3%
  2. Educação: +143,1%
  3. Materiais de Construção: +92,9%
  4. Serviços Automotivos: +85,9%
  5. Livrarias: +70,3%
  6. Pet shop: +56,3%

Na análise dos números contando apenas o comércio eletrônico, o crescimento do faturamento do varejo foi ainda maior no período que seria destinado para o Carnaval em 2021, especialmente entre pequenos e médios varejistas.

Houve um aumento de 176% no faturamento registrado a partir das vendas on-line em relação ao mesmo período de 2020. Assim como no varejo em geral – presencial e virtual –, as maiores altas ocorreram na segunda e na terça-feira, respectivamente, com aumentos de 277% e 230%.

“Os pequenos e médios varejistas adotaram o e-commerce de maneira permanente para impulsionar os negócios e mantiveram as vendas on-line em alta até durante carnaval”, disse Rodrigo Carneiro, diretor da Rede.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame