Startup que desafia Bunge e Cargill entra no mercado de carbono | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Startup que desafia Bunge e Cargill entra no mercado de carbono

PUBLICADO EM: 25.3.21 | 9H56
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 12H46
A Indigo Ag, trading digital que movimenta US$ 1,4 bilhão, vai se concentrar em dois negócios: grãos e promover um futuro sustentável na agricultura
Terminal; Grãos; Soja; Bunge; Porto de Santos

Terminal de soja no Porto de Santos: startups buscam levar o comércio de safras para plataformas digitais e desafiar as grandes tradings

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A Indigo Ag, uma startup que tenta levar o comércio tradicional de safras para plataformas digitais, estreita o foco enquanto seu novo CEO se prepara para um futuro verde na agricultura.

A empresa de Boston concentrará esforços A Indigo Ag, uma startup que tenta levar o comércio tradicional de safras para plataformas digitais, estreita o foco enquanto seu novo CEO se prepara para um futuro verde na agricultura.
A empresa de Boston concentrará esforços na plataforma de comércio de grãos e no novo negócio de carbono, disse Ron Hovsepian em sua primeira entrevista desde que assumiu o comando em setembro. Isso significou reduzir as ofertas da empresa pela metade e nomear uma série de novos executivos, incluindo um diretor financeiro e uma diretora digital.

Startups de agrotecnologia como a Indigo surgiram nos últimos anos para desafiar empresas como a Archer-Daniels-Midland, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus, o famoso quarteto de tradings agrícolas que dominam o mercado. Mas, depois de captar milhões com investidores, incluindo o Alaska Permanent Fund, a Indigo teve que cortar empregos após ter investido em muitos negócios diferentes.

“Muito, muito claramente, vamos nos concentrar em dois problemas: um, ajudar o mercado a se tornar mais eficiente e mais eficaz na compra, venda e movimentação de grãos”, disse Hovsepian. “O segundo problema em que estamos focados é realmente em torno da mudança climática e da sustentabilidade.”

Ofertas reduzidas

A Indigo reduziu suas ofertas de serviço de oito para quatro e está colocando mais ênfase na plataforma digital, que busca conectar agricultores diretamente aos compradores. Isso desafia o modelo de negócios das tradings que historicamente ganharam dinheiro comprando safras de agricultores, armazenando e vendendo a preços mais altos posteriormente. Também mantém o negócio de transporte associado.

Cerca de US$ 1,4 bilhão em produtos mudaram de mãos por meio do mercado digital da Indigo em 2020, mais de seis vezes acima do valor em relação ao ano anterior. Em termos de bushel, o volume aumentou cerca de 600%. Embora a maioria dos produtos sejam cultivos em linha, a Indigo continua a ver interesse de empresas que buscam culturas especiais ou soluções sob medida, como o acordo para fornecer à Anheuser-Busch arroz cultivado com 10% menos água e nitrogênio.

A Indigo também expande o negócio de carbono na Europa, com parcerias para recrutar agricultores na Alemanha e na Suécia. A empresa manteve a divisão de produtos biológicos e priorizou a América do Norte e o Brasil para a plataforma de trading, e a Europa e EUA para os negócios de carbono, disse Hovsepian.


Recomendado para você


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame